0

Horóscopo

Perigos da magia negra

VeraPetruk / iStock
3 mai 2017
14h45
  • separator
  • comentários

A magia negra é traiçoeira, porque além de ter poder de motivar os próprios atrapalhos que emanam dela, apresenta-se, numa segunda camada, ainda mais arriscada.

Ela introduz na cabeça das pessoas uma crença que as leva a se despojarem das responsabilidades, deixando de ser operativas, acreditando que não podem desenvolver a própria vida, porque atribuem tudo o que lhes acontece a um ser que as persegue ou a um trabalho do mal que atingiu em cheio o alvo.

Ora, como podemos perceber, essa ideia pode invadir e ocupar perigosamente a vida de qualquer ser que nela acredite. Leva o indivíduo a desistir de lutar e abraçar suas responsabilidades: afinal, são as energias negativas, de ódio ou inveja, que foram lançadas sobre ele, que o cerceiam – ebós, efós, feitiços, macumbas, trabalhos feitos em “casas escusas de magia negra” que prejudicam e fecham o caminho.

Mas, olhemos a questão de forma mais detalhada e inteligente: será que é tão fácil assim ter capacidades de manipular a raiva, a competição, o ódio? Será também que existem tantos seres humanos aptos a exercerem o mal de formas e maneiras tão poderosas e profundas que consigam estragar vidas e saúdes, romper casamentos, devastar empregos, causar distúrbios dolorosos, conflitos de família, brigas cruéis, acidentes terríveis?

Será, também, que as pessoas que se aceitam como portadoras do mal não sentem medo das terríveis consequências do carma que criam para si mesmas? Será que tudo isso pode ocorrer sem que o indivíduo busque suas (merecidas) defesas, dentro de si mesmo, crie barreiras de força e coragem, capazes de atravancar o caminho do mal?

Testemunho de grande falta de fé é acreditar que alguém possa desorientar uma vida e comprometer uma alma que, como todas as demais, é também de Deus. Apesar disso, no meu consultório, sou muitas vezes confrontada com o duplo desdobramento desse problema.

Por um lado, pessoas que me procuram porque lhes foi dito, em inúmeras oportunidades (diferentes atendimentos, aconselhamentos, consultas), que há algo muito pesado sobre seu destino. Estão preocupadas e pedem que eu desmanche o que outros não conseguiram.

Por outro, pessoas me procuram depois de terem ido, sem sucesso, a lugares de magia e feitiçaria. Gostariam de saber se eu posso fazer o “trabalho” espiritual que as outras casas, apesar de terem afirmado e propagandeado, não conseguiram.

São duas situações oposta que se irmanam na solução. Ambas estão sob controle maior, o mais poderoso, a força espiritualista da inteligência universal. Assim, a primeira situação não deve trazer maiores temores (ainda que demande acolhimento e tarefa de tranquilizar), e a segunda, não passa de inutilidade, pobre e atrasada, perniciosa inutilidade.

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui .

Veja também

Especial para Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade