0

Sagrado Masculino: o que é e como equilibrar as energias

Há algumas atitudes que ajudam a equilibrar essa energia no dia a dia

6 out 2020
12h08
atualizado às 13h08
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Veja como equilibrar a energia do Sagrado Masculino -
Veja como equilibrar a energia do Sagrado Masculino -
Foto: Lukas Rychvalsky/Pexels / João Bidu

Muito se fala sobre o Sagrado Feminino, mas, dificilmente, vemos sobre o outro lado -- o Sagrado Masculino. O que pode ser um erro, pois todos nós temos essas duas energias, independente de gênero e orientação sexual, somos seres duais com energias opostas e complementares.

Assim como funciona o conceito yin-yang que fala sobre a dualidade no mundo e a importância desse equilíbrio, sendo o yin a representação da intuição, a lua, a receptividade e o feminino; o yang representa a racionalidade, o sol, a ação e o masculino. Esse equilíbrio também precisa ser feito entre as energias do Sagrado Feminino e o Sagrado Masculino. 

O que é o Sagrado Masculino? 

O Sagrado Feminino tem a intenção de retomar o culto do corpo feminino e a conexão com a natureza que nossos ancestrais tinham. Já o movimento Sagrado Masculino vem para criar um equilíbrio causado pela repressão sócio-cultural que os homens são submetidos até os dias atuais ajudando a harmonizar com energias femininas. 

A forma mais simplória de como conhecemos o mundo é a partir da dicotomia: grande e pequeno; claro e escuro; o bem e o mal e assim vai. A sociedade também foi construída dessa maneira, e a construção social do homem e da mulher não fugiu disso, aliás, é o exemplo mais claro para ser usado.

O papel do homem criado pela sociedade é o homem forte, que não chora, que é a autoridade no ambiente familiar entre várias outras "normas" que descrevem o macho alfa que já conhecemos. As consequências disso são os sentimentos de superioridade, de posse, de dever, imposição e controle exacerbado, que exerce opressão sob qualquer pessoa que não se enquadre nessa caixinha, principalmente, em relações entre homem e mulher. 

Esse tipo de relação não só é prejudicial e desigual em uma sociedade, como também é para os próprios homens que se colocam nessas cobranças e estão constantemente reprimindo suas emoções e acabam não desenvolvendo inteligência emocional para ter uma vida mais saudável e leve que reflita diretamente nas relações sociais. 

É importante mencionar que estamos falando sobre arquétipos do feminino e masculino como energia que todo mundo tem, mas, também, como isso é refletido na construção social do homem. Entretanto, todo mundo pode e deve trabalhar essas energias duais e opostas, independente do gênero e orientação sexual;

Como equilibrar o Sagrado Masculino?

Há algumas atitudes que ajudam a equilibrar essa energia, como:

  • Praticar a escuta atenta: escute o que as pessoas ao seu redor têm para ouvir e reflita sobre. É importante para desenvolver a empatia.
  • Permita-se sentir: todo mundo tem seus dias difíceis e não faz bem segurar para manter a pose. Reserve um tempinho para si e procure um amigo ou parente que possa conversar, além de procurar terapias tradicionais e alternativas da sua escolha.
  • Permita-se expressar: diga o que sente, se é algo que te empolga, incomoda, seja lá o que for, demonstre!
  • Faça o que sempre teve vontade de fazer, mas que não fez pelo senso comum: sempre tem alguma coisa que dizem que não é "coisa de homem" ou "coisa de mulher", incluindo o famoso "isso é coisa de criança" que todo mundo ouve em algum momento da vida. Lembrou de algo? Se sim, faça sem medo de ser feliz!
  • Não se cobre tanto e entenda que todo mundo tem seu tempo e ritmo: a energia yang é uma energia ativa e também de cobranças. Quando está em exagero, acabamos nos culpando por não conquistar coisas e status quando nos comparamos com outras pessoas. Entenda o seu ritmo e respeito-o para sempre fazer o seu melhor. 

Resumidamente: permita-se sentir e desenvolva a empatia e seu lado intuitivo para poder viver de forma mais saudável e leve. 

Veja também:

Venezuela: os trabalhadores da saúde com salários de US$ 4 por mês e sem equipamentos de proteção
João Bidu
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade