PUBLICIDADE

Ódio a mulheres cresce na web graças a perfis como Trump, diz cientista

Pesquisadora de Oxford diz que a internet permitiu que a misoginia evoluísse para uma nova forma

30 nov 2023 - 11h42
(atualizado em 6/12/2023 às 17h56)
Compartilhar
Exibir comentários
Donald Trump, ex-presidente dos EUA, inspira misóginos na web
Donald Trump, ex-presidente dos EUA, inspira misóginos na web
Foto: Tia Dufour / Official White House Photo/Wikimedia Commons

A internet criou novas formas de sexismo e permitiu que elas se espalhassem, impulsionadas por figuras como Andrew TateDonald Trump, segundo a cientista Deborah Cameron, professora de linguagem e comunicação na Universidade de Oxford.

A pesquisadora diz que a internet permitiu que a misoginia — discriminação e ódio contra mulheres — evoluísse para uma nova forma moderna, com o tema sendo amplamente divulgado e debatido no TikTok e em outros fóruns online.

A especialista cita que estes fóruns são espaços onde ideias sexistas podem ser promovidas livremente, levando a um aumento de ameaças verbais e abusos contra as mulheres. Acrescentando ainda que o sexismo tornou-se agora parte da publicidade, comédia e reportagens noticiosas “comuns e banais”. 

No seu livro, 'Language, Sexism and Misogyny' (Linguagem, Sexismo e Misoginia), a professora argumenta que o sexismo evoluiu para uma forma que reflete as condições atuais e a cultura digital. 

Parte desta mudança foi o surgimento de uma versão nova e particularmente extrema da masculinidade, que se espalhou por comunidades online extremamente ativas. 

“A Internet permitiu que os misóginos mais extremos, obsessivos e perigosos se encontrassem e interagissem intensamente. Este é o efeito do que é chamado de 'manosfera', uma coleção de fóruns que hospedam subculturas como incels, PUA e supremacistas masculinos que muitas vezes também são ativos em outros tipos de política extrema, como o nacionalismo branco ou o neonazismo", disse a professora em entrevista ao Daily Mail.

A professora citou ainda na entrevista que figuras como Andrew Tate têm sido particularmente influentes na divulgação desta nova forma extrema de misoginia online.  

Tate, que atualmente aguarda julgamento por acusações de tráfico de seres humanos e de criação de uma quadrilha criminosa para explorar mulheres, acumulou milhões de seguidores e tem mais popularidade entre homens e meninos jovens. 

Astronauta brasileira mostra otimismo em "achar vida em outros planetas" Astronauta brasileira mostra otimismo em "achar vida em outros planetas"

“Ele tem bilhões de seguidores porque sabe como trabalhar os algoritmos que decidem o que os usuários de plataformas como TikTok e YouTube serão convidados a ver. A influência de Tate se deve em parte ao conteúdo que ele produz; se não tivesse apelo para ninguém, ele não seria o fenômeno que é, mas também tem a ver com a maneira como a tecnologia amplia as coisas", comentou a cientista.

Recentemente, o primeiro-ministro Rishi Sunak foi instado pelos deputados a combater a radicalização e a “lavagem cerebral” das crianças em idade escolar através do conteúdo de Andrew Tate. 

No entanto, ela também afirma que Tate é apenas parte de uma aceitação mais ampla e normalizada do sexismo e da linguagem misógina na vida cotidiana. 

O professor Cameron diz que esta nova onda de sexismo na sociedade fez com que as mulheres enfrentassem mais abusos, tanto online como offline. 

Figuras públicas influentes como a vice-presidente Kamala Harris e a ecoativista Greta Thunberg foram particularmente expostas a um aumento dos abusos sexistas, comentou a professora em entrevista.

Embora ela afirme que as ameaças e o assédio sempre foram um risco para as mulheres na vida pública, a facilidade de comunicação através da Internet “aumentou enormemente a escala do problema”.

Fonte: Redação Byte
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade