1 evento ao vivo

Presente de amor: completar sim, sufocar não

1 set 2016
17h14
  • separator
  • comentários

Amorosa ela veio. Cheia de expectativas. Era bastante jovem, mas tinha decidido: queria se casar. Pretendentes não faltavam, o que gerava ansiedade e indecisão. Entrou, sentou, linda e radiante, ocupou meu consultório expondo suas angústias e direções.

“Sabe Marina”, falávamos com a desenvoltura característica de amigas de longa data, “preciso de alguém que me entenda, respeite minha inteligência e sensibilidade, confie que vou retribuir com tudo que eu puder”.

Sobre o amor: completar sim, sufocar não
Sobre o amor: completar sim, sufocar não
Foto: iStock

Ah, então esse é o mapa do tesouro, pensei. A consulta se desdobrou. Ela falou-me de um e de outro, do terceiro e do quarto. Descreveu, narrou acontecimentos, relembrou situações vividas, pontos fortes e fracos. Tinha o dever de casa muito bem-feitinho: atenciosa, observadora e decidida.

Solução mesmo, objetiva, direta, não me era apresentada. A briga entre a quadra de ases era boa, verdadeiro empate técnico. Chegamos ao encerramento. Ela decepcionada. Eu, confiante por saber mais dos mistérios e reentrâncias do carma, fechei convicta. Pode ir, em menos de três meses você vai ter a resposta, o sinal. Daí me procura para confirmarmos.

Pude notar um olhar meio decepcionado, meio desconfiado quando demos um beijinho na porta do elevador. Sabia que ela queria a resposta definitiva naquela tarde mesmo. Dois meses depois, ao voltar, o olhar era o oposto: alegre, chispante.

Dias antes, no aniversário, os presentes. De um uma bela bolsa (admirável), de outro uma blusa linda (cobiçável), do terceiro um sapato elegante (invejável) – até parecia, pelo sortido, que havia sido combinado. Surpresa era o velho livro de poemas, comprado na pechincha do sebo, versos que ela amava desde a adolescência.

Dentro, uma carta, manuscrita. Ela desdobrou carinhosamente e me estendeu: “minha querida. Este livro poderia ser a primeira contribuição para nossa biblioteca, nossa casa. Ao comprar tive a grata sensação de começar nossa vida em comum. Lendo-o, entusiasmado, você veio à presença pela imaginação, um demorado êxtase.

Depois entendi o que fisgava minha emoção: esses poemas ensinam a força e o valor da liberdade. Eu penso exatamente assim: não quero que o futuro lhe anule a personalidade. Pelo contrário. Para que eu seja feliz, inteiramente feliz, é preciso que você seja cada vez mais você mesma.

A comunhão que pretendo com você não pode repousar no sacrifício do que já esteja em nós, senão na aquisição do que nos falte ainda. Pois é pelo desenvolvimento do que somos e não pelo prejuízo do que deixarmos de ser, que nós faremos verdadeiramente dignos um do outro, e, ambos, da realização comum”.

Ao terminar levantei os olhos e deparei-me com o imenso sorriso dela, aberto, luminoso. Como digo sempre: há presentes e presentes, materiais ou espirituais.

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui .

Fonte: Marina Gold

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade