0

O outro lado do Carnaval

1 mar 2019
09h00
  • separator
  • 0
  • comentários

Carnaval chegou. A nossa tradicional e intensa festa da alegria, da diversão, da efusão. Para muitos, momento alto-astral. Para alguns, o sofrimento de estar triste e, pior, triste e cercado por blocos e bloquinhos de felicidade por todos os lados.

O outro lado do Carnaval
O outro lado do Carnaval
Foto: iStock

Numa situação ímpar, em pleno fogo da obrigação de pular e comemorar, jogar os confetes e as serpentinas, aumenta a sensação de angústia e depressão daqueles que, por mais diversas razões, não se contagiam pela proposta fácil de alguns dias de folia, com data e hora marcadas para iniciar e terminar. 

Para muita gente, bem nessa hora convencionada do contentamento e do folguedo, o anjo exuberante do regozijo, do júbilo, da satisfação, teima em se encolher e recolher, abaixa os olhos, fecha as asas em torno de si, adormece deixando graças esquecidas, vontades que esfriam, perguntas sem resposta.

“No meio da multidão” (“Máscara negra”), quem infelizmente se encontrar nesse outro lado do Carnaval – destoando! – imune ao apelo convencionado, mesmo pressionado negativamente por esse apelo convencionado, “cheio dos guizos fáceis da alegria” (“Chão de Estrelas”), vai se sentir um avião sem hélice, uma locomotiva sem vagões para tracionar.

Indiferente, enquanto o divertimento e a satisfação rodam vertiginosos em intermináveis carrosséis, a tristeza, em meio à festa, mais salgada de lágrimas fica. Nem batuque, nem canto, nem pulos, nem gritos, o que se quer é um pouco de expressão de sentido, uma gota de ar no fundo dos oceanos efêmeros.

Como proceder? Indico o caminho de retirar da mente os excessos e concentrar-se na simplicidade da experiência de estar vivo – nada mais. A vida, ele mesma, precisa nos seduzir em sua medida de mínimo necessário, o demasiado deve ser removido. Nesses dias de folia – bagunça e agitação –, excessivos para certas sensibilidades, quem estiver do outro lado do carnaval precisa aliviar o coração.

Não está muito pra folia e folião? Trabalhe o sentido da festa em outro registro, inverso. Quando tudo se movimenta, aquieta. Quando tudo seduz, controla. Lembra que não é necessário viver tudo o que a vida oferece. Necessário viver, e viver com equilíbrio!

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui.

Veja também:

Aprenda a customizar um abadá com muito brilho e glamour

 

Fonte: Marina Gold
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade