PUBLICIDADE

Saiba mais sobre o temido Plutão

Plutão tem a ver com o sofrimento necessário, com aquilo que temos que passar, com um difícil pedaço do caminho que nos foi determinado

23 mar 2021 09h00
| atualizado às 12h59
ver comentários
Publicidade

Plutão é regente de Escorpião e a confirmação de sua descoberta se deu em 13 de março de 1930. É um planeta controverso e o ser humano faz de tudo para negar o seu poder, no entanto, inegavelmente, Plutão é o planeta mais poderoso que conhecemos e recebemos já, a plenitude de suas energias. 

Saiba mais sobre o temido Plutão
Saiba mais sobre o temido Plutão
Foto: themotioncloud / iStock

Plutão é Hades na mitologia, o deus dos infernos, das profundezas, o que tem tudo a ver com Escorpião, o signo mais profundo de todos e mais incompreendido, muitas vezes até por eles mesmos. Plutão, assim como Escorpião, lidam com temas tabus na nossa sociedade, que são o sexo e a morte. Ninguém lida naturalmente e não falamos abertamente sobre esses temas, que são próprios da natureza humana e que, por serem próprios, estão inseridos no nosso destino como humanidade. 

Ouça "Lua Crescente em Câncer nos conecta ao mundo emocional" no Spreaker.

Quando Plutão toca nosso mapa natal, ou seja, quando ele toca nossas vidas, podemos esperar por acontecimentos que fogem do nosso controle. Plutão tem a ver com profundezas, com transmutação de algo que deve passar por um processo de queima, para tornar-se outra coisa. Nenhuma passagem tensa de Plutão pelas nossas vidas é tranquila e isenta de dor. Como todo processo de transmutação, envolve morte e consequente renascimento. Mas envolve morte e essa é aquela porção de Plutão, quase proibida de se tocar, pois, como já disse, nossa sociedade ocidental, não vê a morte com naturalidade. Mas esse é um tema que considero tão importante, que pede um outro artigo. 

Plutão tem a ver com o sofrimento necessário, com aquilo que temos que passar, com um difícil pedaço do caminho que nos foi determinado e designado. Ele traz em si, uma lei intrínseca e implacável, exatamente por simbolizar os processos de fechamento de ciclos, que a maioria de nós lida com muita dificuldade. Fechamento de ciclos, sempre envolve a finalização de algo, a morte de uma etapa e início de outra. Precisamos fechar, encerrar, deixar no passado, finalizar o ciclo e deixar o que for necessário, morrer. 

Se não deixamos morrer, não conseguimos renascer e todo esse processo tem a ver com Plutão. E é óbvio que durante esse processo, nossa sombra é acionada, pois esse planetinha, que o ser humano decidiu chamar de anão, nos coloca diante do nosso desespero, nossas raivas e ódios e, principalmente, de nossa impotência. Enquanto estamos passando por esse escuro e obscuro caminho dentro de nós, Plutão continua nos remetendo às nossas profundezas mais difíceis. 

No entanto, quando entendemos a mensagem que a vida tenta nos dar e essa mensagem tem a ver com entrega, tudo começa a ser transformado dentro e fora de nós. Isso acontece porque Plutão quer dizer “o dispensador de riquezas” e acreditem, depois dessa passagem pelo inferno, depois de entrarmos em contato com o mais sombrio que carregamos em nós, depois de nos depararmos com uma total impotência diante de um poder quase indescritível, que é o nosso destino, Plutão começa a nos devolver o que perdemos e muito, mas muito mais. Só quem já passou por difíceis trânsitos de Plutão consegue compreender a dimensão dessas palavras. 

Plutão abre uma porta dentro de nós que estava muito bem fechada e emoções adormecidas e negadas começam a vir à tona. Plutão tem a ver com processos psicológicos profundos, que trazem em si, o gérmen de uma mudança que acontece no nível da alma e que, por isso, tem a ver com nosso processo evolutivo. 

A melhor maneira de lidar com Plutão?

Não vamos, de maneira alguma conseguir evitar a dor e o processo de transmutação próprio desse planeta, mas, minha experiência com Plutão, em trânsitos difíceis que eu mesma passei e que muitos dos meus clientes passam ou passaram, percebo que a única maneira de lidar com esse planeta, é acionarmos nossa porção mais humilde, no sentido de compreendermos que existe um poder maior que nós e que devemos nos submeter a ele em alguns períodos de nossas vidas. 

Plutão tem a ver com a destruição da soberba, da nossa arrogância e é somente quando nos percebemos totalmente impotentes diante dos acontecimentos que enfrentamos, no momento que, já sem forças, nos ajoelhamos e entregamos a solução de nossas vidas nas mãos de algo mais poderoso que nossa vontade, que Plutão ressurge e começa a dispensar as riquezas que, a partir desse momento, passamos a “merecer”. 

A partir dessa consciência, de que não somos nada, não controlamos nada e não podemos nada a não ser que nos unamos a uma força Maior, damos um passo à frente em nosso processo evolutivo. 

Veja também:

Astrônomos desvendam mistério da formação de dunas sem vento em Plutão:

 

Fonte: Eunice Ferrari
Publicidade
Publicidade