0

O mapa natal como símbolo do carma individual

5 jun 2019
09h00
  • separator
  • 0
  • comentários

O mapa astral é uma espécie de fotografia que é tirada do céu no momento que respiramos pela primeira vez. Uma fotografia, que traz em si nossa personalidade, temperamento e história de vida, com as alegrias, as tristezas, o carma, nosso caminho de vida. Costumo dizer que o mapa é uma bússola, através da qual conseguimos saber as direções, os caminhos que a vida nos aponta.

O mapa natal como símbolo do carma individual
O mapa natal como símbolo do carma individual
Foto: iStock

Sendo assim, algo tão específico, tão particularmente nosso e nós mesmos, em toda extensão, é claro que nosso carma se encontra nele desenhado. Ele condiciona o crescimento, ou seja, ele mostra nosso destino, nosso caminho de vida. Uma pessoa de Virgem, nunca se tornará uma de Libra e assim por diante. Meu destino é me tornar e aperfeiçoar aquilo que meu mapa aponta para mim e minha vida. É como se o céu paralizasse no momento em que essa fotografia astrológica é tirada e os planetas, que continuam o percurso devido, em trânsitos, através de nosso sistema solar e que movimentam nossas vidas conforme tocam nossos planetas natais, nessa fotografia. 

Esse é o nosso carma: nos aprimorarmos através da lapidação que sofremos a partir desses movimentos dos planetas, que promovem acontecimentos relacionados à nossa tarefa e caminho de vida.

Vamos pensar no ser humano, como a convergência de correntes de  energias dinâmicas e memórias latentes e suscetíveis a serem revividas. Inúmeros padrões emocionais, de pensamento e comportamento, começam a atuar numa nova combinação no momento do nascimento. Se você acredita em reencarnação, pode compreender mais concretamente o que quero dizer. É como se o passado ainda não tivesse terminado totalmente e promete continuidade no momento do nascimento. No entanto, a partir do despertar dessas energias, todo potencial dos acontecimentos futuro é despertado. 

Quando percebemos esse fato, entendemos o conceito de causalidade, ou seja, que todo evento tem uma causa e será a causa de efeitos futuros. Esta é a base do conceito de Carma. Podemos entender que um ser humano recém-nascido é o resultado de milhões de causas que, quando se unem, constituem o Carma de uma pessoa e, como são correntes dinâmicas de energias, essas causas produzirão efeitos. Esse processo é dinamizado através dos trânsitos astrológicos, que movimentam nossas vidas e nos obriga a decisões e escolhas que mantém a continuidade dessa roda, chamada em sânscrito de Samsara

Dessa maneira, podemos enxergar nosso mapa astral como um ponto de partida, que traz em si a marca de atividades passadas que trazemos para o presente e, portanto, o desenho de nosso Carma. No entanto, o mapa também evolui ou evoluímos através e junto com ele, pois partindo dos processos cármicos, que normalmente envolvem sofrimento, damos, na maioria das vezes, um passo à frente em nosso processo evolutivo, saindo da ignorância e nos direcionando a algo maior e mais significativo. Podemos entender o mapa astral como um símbolo do significado e propósito que foi investido nesse nascimento e o tanto de potencial que possuímos e que é representado através de nosso mapa. Portanto, a partir deste ponto, passamos para um outro estágio de nossa evolução como humanos, começamos a falar de um tema importantíssimo, que pouca gente conhece, que é o Dharma. Mas dele, falarei no próximo artigo. 

Veja também:

 

Fonte: Eunice Ferrari
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade