0

Liberte-se da sua prisão emocional e seja mais feliz

Livre-se do que não serve mais e busque a felicidade

19 jun 2020
16h50
atualizado às 17h32
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Livre-se das suas amarras e abra seus caminhos para a felicidade - Crédito: Artem Beliaikin/Pexels
Livre-se das suas amarras e abra seus caminhos para a felicidade - Crédito: Artem Beliaikin/Pexels
Foto: João Bidu

Em meu último artigo, falei sobre quem é você no amor. Muito se espera do outro, porém, pouco se tem coragem de olhar para dentro e ver quem realmente é no relacionamento.

Hoje, falarei sobre as prisões emocionais que fazem com que entreguemos as chaves do coração para outro, dando-lhe o direito de fazer o que bem entender.

Afinal, o que é amor? É um sentimento de bem-estar que nos engrandece a tal ponto de querer nosso bem tanto quanto do outro, de querer compartilhar nossa vida numa troca recíproca de energias, sensações e desejos.

Mas, em algum momento do relacionamento, caímos no engano das emoções que oscilam o tempo todo entre insegurança, raiva, rancor, medo, dúvidas e passamos a nos aprisionar e sentir dor e sofrimento. A partir disso, por não ter coragem de olhar para dentro e ter atitude para sair desse aprisionamento, transferimos a responsabilidade para que o outro (o par/cônjuge) resolva a situação e assim, entregamos a chave emocional da nossa vida.

Relacionamento amoroso não é resolução de problemas. É sinergia, alegria, paz. É construção de laços e não de nós. Para saber se você está em uma relação de laços ou nós afetivos, observe suas emoções.

Pegue uma fita e dê um nó a cada sentimento de dor e sofrimento que sentir; o importante é ser sincero(a) e honesto(a) com você mesmo(a).

Ao final da sua reflexão, olhe para a fita e veja quantos nós fez. Esses nós representam as grades da prisão emocional em que você mesmo(a) se colocou. O próximo passo é desatá-los, um a um, sem pressa e sem medo. Perceba que você precisa se libertar e voltar a estar inteiro(a). Para isso, dê um passo de cada vez. E se sentir que não conseguirá fazer isso sozinho(a), peça ajuda de um profissional da saúde e/ou holístico como nós da equipe do João Bidu.

O importante é você dar o primeiro passo, que é justamente reconhecer suas prisões emocionais. A partir do momento que você começar a desatar os nós, terá novamente a chave da sua vida em suas mãos e sentirá mais autonomia e coragem para fazer escolhas positivas, como por exemplo: continuar a relação em que está ou procurar um par que seja recíproco aos seus sentimentos.

Quando desatar todos os nós, dê um lindo laço e aprecie com amor e afeto o progresso que fez.

Liberte-se e seja feliz.

Texto: Liggia Ramos - Numeroterapeuta e taróloga

Veja também:

De andador, veterano de guerra de 99 anos arrecada milhões para saúde pública britânica
João Bidu
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade