2 eventos ao vivo

Saudade: vidente sugere exercício para dominar sentimento

14 set 2016
18h26
  • separator
  • comentários

“Saudades”, como diz famosa guarânia, “palavra triste”. Para muitos o vocábulo mais forte da língua portuguesa que: exprime, numa concisão que aperta o peito, abandono, distância, solidão. Vasta como um céu nublado, grandiosa como um oceano aberto.

Dizem os especialistas que se trata de palavra difícil de traduzir, pois é um conceito (lição de filosofia mais do que mero termo comunicativo) e, por isso, só pode ser levada para outros idiomas de maneira aproximativa.

Saudade: vidente sugere exercício para dominar tal sentimento
Saudade: vidente sugere exercício para dominar tal sentimento
Foto: iStock

Nos dicionários estrangeiros vamos encontrá-la traduzida por “nostalgia” (dor do lar – do grego: nóstos=lar + algia=dor), excessivamente jovem (cunhada no século 18 pelo médico suíço Johannes Hofer) para uma questão tão antiga, tão longamente instalada nos corações humanos.

Agora, se consultamos um dicionário português de referência, temos uma definição bastante complexa: “melancolia causada pela lembrança do bem do qual se está privado; pesar, mágoa causada pela ausência de alguém ou de objeto querido; lembrança suave e ao mesmo tempo triste de pessoa simpática”.

Trata-se, portanto, de qualquer coisa dilacerante, mas que também pode enternecer, e não diz respeito exclusivamente ao passado, mas também ao futuro, pois indica um desejo que gostaríamos de realizar.

Aqui as coisas ficam um bocado complicadas, porque, convenhamos, nostalgia do futuro é um paradoxo. Uma realidade estranha, marcada por certo amargor doce ou certa doçura amarga. Em suma, como explicar esse sentimento?

Se entendermos que é impossível explicar o significado da palavra “chocolate” a alguém que nunca tenha provado um, vamos concordar que para compreender o que é saudade nada melhor do que senti-la diretamente.

Proponho, para tanto, um exercício (um exercício sentimental). O melhor momento é o entardecer, a hora canônica da saudade. Quando se aproximar o crepúsculo, tire uma horinha só para você, em solidão, desligando celulares, lâmpadas, e etc.

Acomode-se confortavelmente, se possível frente a uma janela. Vale colocar (se achar interessante) uma trilha sonora climática, que desperte boas lembranças. Receba a escuridão que desce como um véu, uma ou outra luz que possivelmente se acenda aqui e ali.

Deixe-se levar por esse panorama que facilmente eleva a comoção. A imaginação, dando piruetas no tempo, pode fazer regressar momentos privilegiados da nossa vida – e será bela e comovente a saudade. A sorte está lançada, experimente.

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui .

Fonte: Marina Gold

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade