2 eventos ao vivo

Ilha do sonho, sonho de ilha

20 set 2019
09h00
  • separator
  • 0
  • comentários

Meu querido amigo, fiquei feliz ao receber notícias tuas. Que sorte o teu desembarque numa das Ilhas Afortunadas. Alegrei em saber que aí, habitada por espíritos felizes, entre borboletas coloridas e frutas sempre doces, você pode aproveitar o sopro de uma brisa agradável, mandada pelo oceano para refrescar os homens. Navegantes para aí rumam, mas o acesso é rigoroso, controlado. Poucos ganham permissão para passar nem que seja uma noite na ilha. Muitos retornam sem vislumbre dos poentes encantadores e alvoradas de plenitude.

(Imagem ilustrativa)
(Imagem ilustrativa)
Foto: hocus-focus / iStock

No centro da ilha está um dos locais mais estupendos. Sobe-se margeando um rio de águas lisas e iluminadas até sua nascente numa gruta redonda cortada na pedra branca. A entrada é guarnecida por uma porta de bronze, presa por duas pesadas barras de marfim. No interior, sob uma abóboda de mármore amarelo, o som da água brotando é misterioso e inspirador. O chão é de verde relva e bem no meio fica a ampla cama de cristal de rocha, perfeitamente polida, transparente como a água da nascente que brota exatamente ali debaixo.

É sempre plena estação na ilha. As videiras dão uvas doze vezes por ano, boas para confeccionar um vinho leve e agradável. No ar, o perfume delicado das macieiras se harmoniza com o dos pães assados – os alimentos de eleição em todas as mesas, modestos e deliciosos. Banhos de mar, caminhadas e exercícios de inteligência são as ocupações cotidianas. Nos dias festivos, sinos repicam e todos vestem seus trajes cerimoniais, seda fresca e macia em púrpura vistoso como o das labaredas.

Outra construção muito admirada é a Casa das Conversas, localizada ao norte da caverna do centro, ligada a ela por uma trilha de brilhantes safiras azuis, sobrevoada por bandos de grandes pássaros coloridos que, sempre silenciosos, transmitem uma intensa sensação de tranquilidade. A Casa é ampla e sem teto, as colunas e as pedras do calçamento são brancas. O amplo espaço interior é ocupado por inúmeras mesinhas com duas cadeiras confortáveis. As pessoas se acomodam, trocam companhia e não sentem o tempo passar.

Do lado oposto, no extremo sul, o Vilarejo do Porto fica acomodado num vale agradável. As ruas são arborizadas e terminam nas mais acolhedoras praias, com os mais sugestivos nomes: Dourada, das Rosas, das Crianças. Nos parque, entre árvores, ficam as Casas para Sonhar. Pequenos chalés pintados de lilás. No interior, em leitos almofadados, mergulha-se em longos sonhos sossegados.

Curiosamente um dos sonhos corriqueiros ali sonhados é o do viajante perdido que chega a uma aprazível ilha de localização incerta em que o aguarda, exatamente, o leito no qual ele está e onde pode desfrutar, abençoadamente, dos mais arrebatadores sonhos.

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui.

Veja também:

 

Fonte: Marina Gold
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade