0

Yoni e o significado feminino: o portal mais sagrado entre o céu e a terra

A vagina é uma passagem sagrada e a ligação entre Deus e Deusa ao ser humano

6 out 2020
15h02
atualizado às 16h29
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Yoni e o significado feminino - Shutterstock
Yoni e o significado feminino - Shutterstock
Foto: João Bidu

Fala-se muito sobre yoni massagem para obter orgasmos e facilitar a vida sexual de uma mulher, porém, há muito mais além.

A palavra yoni, tem a seguinte definição segundo o wikipedia:

"Yoni é uma palavra do sânscrito que significa "passagem divina", "lugar de nascimento", "fonte de vida", "templo sagrado" e ainda o órgão sexual feminino. É considerado igualmente um símbolo de Shakti e de outras deusas de natureza similar."

Como visto, a yoni (vagina) é uma passagem sagrada e costuma-se dizer que a vagina é o portal mais sagrado entre o céu e a terra. É a ligação com Deus e Deusa ao ser humano, a ligação com o invisível e o tangível. Fora isso é um órgão de grande importância na vida de todas as mulheres, significa a sua essência, a sua natureza e até mesmo a sua identidade.

Por que até mesmo nós, mulheres, esquecemos de lembrar que temos um portal sagrado? Por que ficamos indiferentes com a nossa essência divina? Maria, Mãe de Jesus, pela história contada, foi a virgem escolhida para gerar o filho de Deus. Veja o quanto é importante a passagem da vagina de Maria para trazer o grande profeta à terra. Já pensou nisso?

Maria não necessitou do ato sexual para gerar Jesus. A fecundação ocorreu com a mais pura energia de amor sagrado. O mais importante foi a capacidade de conexão entre a vagina de Maria, uma mulher carnal como todas nós, e o sagrado, o divino e o invisível.

E como você enxerga a sua vagina?

Pela minha experiência com o tantra e o sagrado feminino, vejo muitas mulheres renegando sua yoni, achando feia, tendo vergonha de mostrar ou apenas a vendo como um órgão que serve para obter relações sexuais, filhos, passagem menstrual, etc.

Esse comportamento se deve porque, com o passar dos séculos, a sociedade reprimiu muito a mulher e sua vagina, passando a ser feia, pecadora e imunda, vindo ao modo social de promiscuidade, desrespeito e desvalorização. Acatamos esta postura e nós mesmas passamos a desvalorizar o nosso próprio corpo.

Infelizmente, muitas mulheres ainda tem este tipo de comportamento. Mas inconscientemente não conseguem enxergar que rejeitar seu próprio corpo traz consequências emocionais graves, criando doenças que somente podem ser curadas através da ressignificação do modo de se ver, sentir e aceitar seu corpo.

Como se curar deste padrão negativo com sua yoni:

  • Veja a importância dela em sua vida, as alegrias que ela já trouxe como, por exemplo, um filho;
  • Respeite-se;
  • Se toque, conheça seu próprio corpo e descubra o potencial energético de sua yoni;
  • Não deixe outra pessoa desrespeitar o seu portal sagrado;
  • Inclua em sua vida a meditação para agradecer e ressignificar o seu portal sagrado;
  • Se permita sentir prazer e não permita que alguém haja com violência na sua sexualidade;
  • Para ter relação sexual com alguém é necessário que você deseje isso e tenha o seu consentimento, senão você estará desrespeitando seu portal sagrado. Não faça nada que você não tenha vontade e confiança em fazer;
  • Ame-a! Seu empoderamento inicia com todo o respeito que você se trata, para depois atrair pessoas que pensam dessa mesma forma;

Para mudar o modo de um parceiro ou parceira te tratar sexualmente é necessário que você mude antes!!

Para isso existem tratamentos como o tantra e a conexão com o sagrado feminino onde você aprende a ressignificar sua sexualidade e passa a ver sua vagina com mais amor e respeito.

Cuide-se e se permita atrair o amor próprio para que, consequentemente, atraia pessoas que te olhem com a mesma proporção que você construiu este novo modo de se ver mulher!

TEXTO: Mary Archangel | Taróloga, Facilitadora de Desenvolvimento Feminino, Terapeuta e Psicoterapeuta tântrica

Veja também:

Venezuela: os trabalhadores da saúde com salários de US$ 4 por mês e sem equipamentos de proteção
João Bidu
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade