2 eventos ao vivo

O exemplo de Ulisses

26 jul 2019
09h00
  • separator
  • 0
  • comentários

Os dois fios condutores lançados pelo Espírito nascem da mesma fonte, mas, independentes, levam energia a dois domínios diferentes: o cérebro e o coração. Razão e Emoção, separados e autônomos, vivem uma trégua frágil que pode, com facilidade, se romper e descambar para conflito. 

Antiga Estátua de Odysseus, isolado em um fundo preto
Antiga Estátua de Odysseus, isolado em um fundo preto
Foto: iStock

Entidades distintas, pólos afastados de um binômio, marcam nossa personalidade, a maneira de ser do nosso eu, como forças antagônicas que se opõem diametralmente. O cérebro, sempre dominador, senhor das situações, trabalha incansável para que a pessoa reivindique o direito sobre ela mesma. 

Já o coração, com suas inclinações para a vassalagem, feliz como servo, não importa ser dominado e aceita subjulgar-se ao direito alheio. Seus projetos não temem — infelizmente, muitas vezes — a submissão e o comprometimento da liberdade.

Como seres abertamente racionais, queremos acreditar que o cérebro não permitiria qualquer ameaça ou perda de controle vinda do terreno do coração. Como se sabe, e algumas vezes constata-se dolorosamente na prática, não é bem assim que as coisas funcionam.

Sedução fala fundo e desalinha nosso compromisso com as coisas esperadas e aceitáveis. A paixão é doce veneno de loucura e descontrole, passa por cima das convenções e leva a atitudes surpreendentes. 

O nosso rico repertório cultural é pedagógico nesse sentido. A razão, mostra nosso patrimônio de civilização, não é capaz de conter os impulsos e desvarios da emoção, o cérebro falha ao tentar dominar o coração. Romeu e Julieta, Tristão e Isolda, Paolo e Francesca: casais unidos sob a pesada tempestade do sofrimento e do desequilíbrio. 

Há uma exceção, o herói grego Ulisses. Sempre ele, o ardiloso, o dissimulado. Atravessando o mar das sereias, para não pular na água e se aforar, exige ser amarrado ao mastro do navio para poder ouvir, embevecido, os cantos das sereias. Seus marujos, mais racionais, tapam os ouvidos com bastante cera e prosseguem cuidando do leme e das velas. 

A perguntinha marota que podemos fazer é: como Ulisses lidou com tanto desejo e frustração? Bem, o que sabemos é que para lidar com as coisas do coração a ajuda cerebral é frágil e pouca, desprezível. Quando a doce melodia nos prende, nem toneladas de cera ou quilômetros de corda podem resolver.

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui.

Veja também:

 

Fonte: Marina Gold
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade