1 evento ao vivo

A vidente do amor

2 nov 2018
09h00
  • separator
  • comentários

A pergunta veio pelo celular. Era “número não identificado”. Atendi mesmo assim. “Marina? É a Marina”. “Sim”. “Então, tô te procurando porque uma amiga me falou que você é a Marina, a vidente do amor”.

Ilustração da garota na vidente
Ilustração da garota na vidente
Foto: iStock

Rapidamente minha cabeça conectou uma porção de coisas. Pensei: “Quê?”. Nunca tinham me dado tal alcunha, aliás, nunca tinham me dado qualquer alcunha. Soou estranho: vidente do amor, do amor. Puxa, que responsabilidade. 

Num átimo organizei o que pude das ideias, ainda sacudida pela importância do que acabava de ouvir e respondi, enquanto no meu âmago ressoava em eco “do amor”, “do amor”: “Não. Não, não” – repeti para ser incisiva. “Sou a Marina, vidente. Marina Gold, vidente – mas não só do amor, exclusivamente do amor”.

“Ah! Entendo”, disse a voz ao celular. “É que eu tenho um probleminha no campo amoroso. Uma relação amorosa complicada. Umas dúvidas. Precisava saber qual caminho seguir”.

Ela não sabia qual caminho. Eu, apoiada nessa breve maneira que fui abordada, sim. A estratégia era simples, minha interlocutora estava obcecada e precisava de uma revelação aparentemente simples, contudo bastante complexa naquela situação: da mesma forma que eu não sou apenas uma “vidente do amor”, a vida também se dispersa. A vida não é apenas a energia amorosa, a vida é plural, diversa, aberta, variada e mais rica enfim. 

Na conversa ao celular (que se alongou) e na consulta posterior (que exigiu desdobramentos de dedicação e paciência), trabalhamos a busca da felicidade como libertação do apego amoroso exagerado.   

Ela vinha de uma conturbada relação a dois, marcada pela falta de compatibilidade. Personalidade e gostos muito diferentes do companheiro. Chantagens, brigas, sofrimentos.

Desenvolvendo a consultoria, lembrava-me sempre daquele primeiro contato. Surpreendentemente (sim, as coisas do Carma costumam espantar), ao enxergar o todo da questão, compreendi claramente que o que ela menos precisava era de uma “vidente do amor”.

Juntas, e essa foi a solução, localizamos que ela precisava, isso sim, de uma “vidente em geral” (expressão que repetíamos aos risos), que deslocasse a obsessão amorosa para as tantas áreas positivas e iluminadas da vida dela. 

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui

Veja também:

 

Fonte: Marina Gold

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade