0

O agora é a impermanência das coisas

18 mar 2019
09h00
  • separator
  • 0
  • comentários

A palavra resiliência significa voltar ao estado normal, natural, da recuperação do equilíbrio; é a capacidade de lidar com seus próprios problemas, vencer obstáculos e sobreviver à pressão, seja qual for a situação. 

O agora é a impermanência das coisas
O agora é a impermanência das coisas
Foto: iStock

Para cultivar-se a resiliência, vamos nos remeter ao budismo, que nos diz que, a única coisa que existe verdadeiramente e que está, de certa forma sob nosso controle, é o momento presente. Não devemos nos preocupar com o passado e o futuro, pois isso nos impede de vivenciar e apreciar as coisas que nos acontecem no dia a dia. 

Thich Nhat Hanh diz, "Estamos aqui e agora; o único momento em que estamos vivos é o presente."

A partir dessa maneira de ver e viver a vida, dando a devida importância ao momento presente, devemos aprender a contemplar a impermanência das coisas que nos rodeiam. O imperador Marco Aurélio dizia que as coisas que amamos são como as folhas de uma árvore: podem cair a qualquer momento que o vento bata. Também afirmava que a mudança do que nos rodeia, não é algo acidental, faz parte da essência do Universo. Esse é um pensamento muito budista, que todos nós, ocidentais, devemos exercitar diariamente. 

Devemos ter consciência de que tudo o que temos e todas as pessoas que amamos, não estarão mais presentes em algum momento. O aprendizado e assimilação dessa filosofia de vida, dessa maneira de ver e viver a vida, é fundamental para nós, ocidentais, que temos imensa dificuldades em compreender as mudanças e as perdas. Ter consciência da impermanência das coisas não deve nos entristecer, mas sim nos estimular a viver com mais intensidade o aqui e agora, a amar o presente e as pessoas qua fazem parte de nossas vidas.

Sêneca, filósofo do Império Romano, disse, "Todas as coisas humanas têm uma vida curta e perecerão".

A natureza impermanente e transitória da vida é a base de qualquer ensinamento budista. Devemos manter constantemente esse pensamento e aprender a viver de acordo com ele, para que os baques da vida, as perdas e as mudanças, não nos arranquem o chão dos pés, como é de costume em nossa civilização ocidental.

Veja também:

Templo em forma de nave espacial recebe 'mar de monges'

 

Fonte: Eunice Ferrari
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade