0

Entenda a relação da Lua com nosso destino

O mapa astral é como uma fotografia do céu no momento que respiramos pela primeira vez

16 jul 2020
09h00
atualizado em 20/7/2020 às 18h27
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O mapa astral é como uma fotografia do céu no momento que respiramos pela primeira vez. Nele está impresso nossas características pessoais, nosso potencial, nossa debilidades, possibilidades de aprendizado e provações, nossa maneira de nos relacionarmos, de lidar com as finanças, com o trabalho, nossa vocação e talentos, nosso trabalho e caminho de vida, nosso carma, nosso destino. 

Vista da lua na Cidade do México, no México
Vista da lua na Cidade do México, no México
Foto: Henry Romero / Reuters

Todos os planetas estão relacionados, de alguma forma, com nosso destino e aqui, entendemos destino segundo a descrição Junguiana que diz que "o que não enfrentamos em nós, encontraremos como destino". Hoje vamos falar da Lua, nosso satélite, o luminar mais próximo de nós e, por isso, o que sentimos mais diretamente sua energia. 

Mas de que forma a Lua pode interferir no nosso destino?

A maioria de nós não esconde a necessidade de conhecer e mudar nosso destino, de fugir do nosso carma, mesmo que passemos toda vida nos dedicando a isso. Nosso sentido de segurança no mundo, parece bastante frágil e todo sentido de segurança, assim como nossa capacidade de entrega, seja para o que for, tem a ver com esse luminar, a Lua. 

A necessidade de compreendermos nosso papel na Terra ou no Universo, é uma preocupação que, em um ou outro momento da vida acaba surgindo. Será que somos livres ou predestinados a destinos trágicos? Será que seremos obrigados a lutar até nosso limite, até o fim da vida, até acabar nossa força ou nosso destino é viver de forma moderada e morrer tranquilamente? Vivemos prisioneiros do bom comportamento, com medo de transgredir alguma lei, terrena ou divina, para não sermos massacrados por um poder maior que nós, ou seja, esse tal de destino.

A Lua tem a ver com nosso lado feminino, com nossa capacidade de dar e receber, de alimentar e darmos alimento física e emocionalmente, nossa capacidade de acolher e sermos acolhidos, na Lua somos o útero que acolhe, que nos dá descanso ou que nos atira para longe, que nos abriga ou que nos expulsa. Nossa relação com a segurança ou insegurança no mundo, tem a ver com a posição e aspectos da Lua natal.

Existe uma ligação entre o destino e o feminino, por conta de nossas vidas em um corpo mortal. Nascemos de um corpo feminino e somos alimentados por ele. Vivemos em um corpo que foi construído em um corpo de mãe e nossa herança física também é experimentada como destino. Como dizia Freud, experimentamos o destino através da força de nossos instintos, o que também tem a ver com a Lua e o feminino. 

Destino vem da alma (anima), também feminina, como dizia Jung, portanto, vem de dentro e é vivenciado através das paixões, de nossos desejos. Por mais que a gente tente compreender o mundo, o Universo e toda vida que faz parte dele, o mundo continua girando em ciclos de nascimento e morte e os planetas continuam girando na roda do zodíaco. 

Nosso destino é aquilo que somos e o que somos é a razão pela qual as coisas acontecem, pois existe uma relação muito estreita entre destino e inconsciente. Não podemos transformar o que não conhecemos e quanto mais nos conhecermos, mais conseguiremos transformar nossos destinos. É claro que nunca nos reconheceremos totalmente e que nunca poderemos tranformar totalmente nossos destinos, por isso o medo e por isso a necessidade de reconhecer que existe uma força maior que nós mesmos, em sinal de humildade e reconhecimento com a vida. 

Muitas vezes somos quebrados em pedaços e só assim somos transformados. É nesses momentos de depressão, sofrimento e desespero, que temos a certeza que existe algo mais forte e intenso que nossos desejos, nossa determinação, nosso intelecto, nossos princípios, nossa ética e nossas boas intenções. Nesses momentos, conhecemos a impotência. E a partir dessa consciência, damos um passo além no nosso processo evolutivo. 

Veja também:

Beirute: A mãe em trabalho de parto durante a explosão
Fonte: Eunice Ferrari
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade