13 eventos ao vivo

Fim de mês

29 ago 2019
09h00
  • separator
  • 0
  • comentários

Tá por pouco, só mais um tiquinho... Vai-se embora agosto, mês famoso “do desgosto”. Reconheço a luta de muita gente esperando ansiosa o dia 31, último de um mês longo e malfadado. Como gostar dele, associado tradicionalmente a sortilégios e complicações, época de cachorros loucos, azares e da mais temida entre as temidas sextas-feiras do dia 13 – que nos poupou neste ano.

Fim de mês
Fim de mês
Foto: iStock

Em geral, ao longo dos meses, energias (elevadas ou baixas) transitam num sobe e desce, se enfraquecem ou se fortalecem em uma ou outra ocasião – datas especiais, feriados, dias marcantes. Em agosto, que rumamos para ultrapassar, há uma complicada concentração de aspectos de superstição e temor. 

Desde há muito a tradição popular indica o mês como cruel. O inverno está no auge, acumulam-se as noites mais longas e frias, cheias de vento e neblina, reforçando a sensação de desamparo e azar. 

Nessa circunstância a somatória de inúmeras experiências individuais cria uma coletivização de cargas negativas, perigosa fonte de sugestionamento e autossugestionamento, caminho aberto para situações enganosas.

A angústia se instala e, em grande medida, se alimenta dela mesma. O medo de que algo dê errado – uma briga familiar, um desacerto no amor, um problema de saúde, uma demissão no trabalho, etc. – vai funcionar exatamente como força propulsora do erro.

Conheci gente que se preparava para o mês complicado já na madrugada de abertura. Dormiam em 31 de julho com a cabeça presa ao problema que, inevitavelmente, ocorreria num dos 31 dias seguintes. Pensavam (em processo de sugestionamento): “Vai ser longo, algo vai dar errado”. A expectativa direcionada para baixo, para o pior, instalada como desgastante força contrária.

O que é preciso destacar? Observar que a dinâmica dos Carmas, emanando dos Mistérios da Espiritualidade, não segue qualquer tipo de calendário, daí o equívoco de se acreditar na generalização de datas, sejam pesadas ou propiciatórias. 

Não há momento de infortúnio que se esparrame sobre todas as pessoas. Quando muito pode haver a coletivização em um grupo (maior ou menor, mas nunca a totalidade humana) – os vencedores de um bolão da loteria, os que embarcaram naquele avião.

Entender isso é abrir caminho para fugir do inimigo pessimismo coletivo. Nos seus momentos de reflexão, ao invés de comemorar o final de mais um agosto, avalie o que vem pela frente, setembro, com as peças e peripécias que ele, como todo e qualquer mês, pode trazer. 

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui.

Veja também:

'Meu pai tinha resposta para tudo': as lembranças de infância da filha de Stephen Hawking

 

 

Fonte: Marina Gold
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade