0

Aprender de cérebro e de mente

14 jun 2019
09h00
  • separator
  • 0
  • comentários

Interessante como nas atividades profissionais a caminhada, se há vocação, constrói progresso. Quem atua muitos anos na mesma área (o mesmo acontece com quem lida pelos caminhos do misticismo), dominado o enfoque principal, resolve o necessário com habilidade e competência cada vez maiores. Os anos de treino trazem segurança, permitem, então, voos maiores, que a atenção se ocupe de perspectivas e detalhes não notados antes. 

Aprender de cérebro e de mente
Aprender de cérebro e de mente
Foto: iStock

É assim com todo mundo, foi assim comigo. No início, as primeiras experiências de vidência exigiam grande esforço, total concentração, dedicação exaustiva. As atividades mentais, as buscas das pistas, eram atividades mentais plenas, exaustivas. Lembro que a tarefa, intensa, dava sede. Isso mesmo, acabava sentindo necessidade de beber muita água, mesmo em dias de menor calor. 

Com tempo ganhei prática! O peso a ser carregado foi perecendo menor. As subidas menos íngremes. Os caminhos mais curtos. A musculatura desenvolveu para manter a marcha sem ofegar, sustentar bom ritmo. Eu estava me especializando e a crescente sensação de domínio funcionava, justamente, como incentivo para aprimorar mais e mais meu desempenho.

Por quê? Simples. Porque duas coisas estavam sendo solicitadas. O Cérebro e a Mente. No meu caso, compreendo, bem mais a mente do que o cérebro. 

O cérebro, centro regulador e de controle das atividades — nosso prodígio de processamento lógico, coerência e racionalidade — funciona apaixonado pelas novidades e desafios, pelas coisas criativas. Ele é uma eterna criança que adora brincar, horas e horas, com propostas que acene possibilidade de prazer. Feito para aprender, o que mais deseja é — justamente! — aprender. 

Naquelas minhas primeiras atividades bem sucedias de vidência — como o aluno de piano que tira o acorde ou o de matemática que constrói o resultado —, alimentei meu cérebro com a satisfação dos bons resultados obtidos, reforçadores. 

Importante (mas não exclusivo): o domínio poderoso do cérebro, inquestionável, não reina solitário. Ele se realiza quando algo bastante misterioso ocorre e, de sua estrutura física (pura gelatina!) emerge (os especialistas falam de “colapso quântico”) o que chamamos de mente.

Mente? Como definir? Como entender? Ah, aqui os cientistas começam a divergir. Prefiro entender, alinhada com importantes linhas da Neurociência, que esse o salto gerador da mente, espantoso, é, por falta de termo melhor, “milagroso”. 

A mente é a construção mais valiosa do espiritual. Templo, mais alta realização do homem, quintessência de suas trajetórias evolutivas. Ela é a responsável pela nossa identidade, paixão, poder, felicidade que sentimos quando fazemos bem feita nossa missão. Ela é a raiz que, fixada no espiritual, alimenta de seiva as milhares de folhas da árvore da vida: frondosa, multifacetada, poderosamente bela e desafiadoramente misteriosa. 

Quer saber mais sobre o trabalho de Marina Gold ou entrar em contato com ela, clique aqui.

Veja também:

O que acontece quando cientistas implantam genes humanos em cérebros de macacos

 

Fonte: Marina Gold
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade