PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Jovem de 25 anos é diagnosticada com câncer avançado após achar que estava com infecção urinária

Câncer no intestino já havia se espalhado para fígado, ovários e peritônio; tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia

8 abr 2024 - 11h51
(atualizado às 12h22)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Reprodução/Instagram

A jovem inglesa Ellie Wilcock, de 25 anos, começou a sentir fortes e contínuas dores abdômen em 2022, mas acreditou que os sintomas eram de uma infecção urinária. Ao procurar ajuda, ela descobriu que sofria de um avançado câncer de cólon.  

No hospital, os exames para infecção urinária deram negativo, mas os marcadores sanguíneos indicavam algum tipo de inflamação ou doença. A jovem, então, agendou um ultrassom, mas a dor piorou rapidamente, forçando-a a procurar ajuda no pronto-socorro. Os novos exames realizados lá detectaram uma massa desconhecida na parte inferior do abdômen. Os médicos da época suspeitaram que poderia ser um cisto ovariano, mas a biópsia confirmou o câncer.

Para a surpresa de Ellie, a doença já havia se espalhado para o fígado, ovários e peritônio – a membrana que envolve os órgãos  no abdômen. O tratamento foi iniciado na sequência do diagnóstico. Ellie foi submetida a cirurgias e sessões de quimioterapia e, em agosto do mesmo ano, ela foi informada de que não havia mais evidências da doença.

O câncer no intestino é o terceiro tipo de câncer mais comum no Reino Unido. Segundo especialistas,  as mortes em decorrência da doença deverão aumentar em 2.500 por ano entre agora e 2040. As taxas de câncer, incluindo o de cólon, estão aumentando em pessoas jovens no mundo inteiro.

Os principais sintomas do câncer de intestino são: mudanças incomuns nos hábitos de higiene, como cocô mais macio, diarreia ou prisão de ventre; mudança na frequência da evacuação, sangue nas fezes, dores de barriga, inchaço, perda de peso e fadiga, entre outros. Qualquer pessoa que apresente estes sintomas durante três semanas ou mais é aconselhada a procurar atendimento médico.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade