0

Massacre no Egito: nº oficial sobe para 525 mortos e 3.717 feridos

15 ago 2013
04h58
atualizado às 10h56
  • separator
  • comentários

O Ministério da Saúde do Egito informou nesta quinta-feira que pelo menos 525 pessoas morreram e outras 3.717 ficaram feridas nos confrontos registrados ontem no país, os quais foram desencadeados após a operação policial lançada para desmontar os acampamentos islamitas em duas praças da capital.

O porta-voz do ministério citado, Mohammed Fathalá, apontou que o maior número de mortos na capital foi registrado no acampamento dos seguidores do deposto presidente egípcio Mohammed Mursi na praça de Rabea al Adauiya, que foi inteiramente destruído pelas forças de segurança e onde 202 pessoas morreram.

De acordo com as autoridades, 21 pessoas morreram na praça do Al Nahda, onde ficava o outro acampamento islamita desmantelado, e outras 18 vítimas foram registradas na região de Heluan, onde também ouve um intenso confronto.

Fathalá acrescentou que, se for somado as mortes registradas no restante das províncias, mais 175 pessoas morreram durante o trágico dia ontem.

Em relação aos feridos, o porta-voz explicou que a maioria se encontra com ferimentos causados por tiros - incluindo balas de chumbo - e fraturas, sendo que ao menos 429 pessoas já receberam alta dos hospitais em que estavam.

Por conta dos violentos episódios de ontem, que se espalharam pro todo país, as autoridades decretaram estado de emergência durante um mês e, inclusive, toque de recolher pela noite.

Depois do início da operação policial contra os acampamentos, a Irmandade Muçulmana convocou seus partidários para que fossem às ruas de todo país, fato que desencadeou intensos confrontos com as forças da ordem e opositores do líder deposto.

infográfico massacre egito
infográfico massacre egito
Foto: AFP
EFE   
  • separator
  • comentários
publicidade