PUBLICIDADE

Vídeo não mostra incêndio em comércios causado pela PF e pela Força Nacional

5 out 2023 - 13h01
Compartilhar
Exibir comentários

Não é verdade que um vídeo registra estabelecimentos comerciais incendiados por ação da PF (Polícia Federal) e da Força Nacional, como afirmam peças de desinformação nas redes. A gravação, na realidade, registra comércios em Anapu (PA) que foram acidentalmente atingidos pelas chamas de uma queimada que supostamente teria se iniciado em um terreno vizinho.

Publicações com o conteúdo enganoso acumulavam 75 mil visualizações no Kwai, milhares de visualizações no TikTok e centenas de curtidas no Instagram até a tarde desta quinta-feira (5).

Selo falso

Tudo queimado aí. É um trabalho que a Polícia Federal fez com a Força Nacional [em Anapu]. Tudo pegando fogo aí
Foto: Aos Fatos

Em vídeo que circula nas redes, um homem não identificado mente ao associar a uma ação da PF e da Força Nacional um incêndio que atingiu estabelecimentos comerciais às margens da rodovia BR-230, em Anapu (PA). A queimada foi acidental e a principal hipótese é que tenha sido causada pelas chamas usadas para limpar um terreno vizinho.

Um carro-pipa da prefeitura de Anapu chegou a ser acionado para conter o fogo, mas ao chegar no local, a residência e os quatro estabelecimentos atingidos — duas oficinas mecânicas, uma loja de peças automotivas e uma borracharia — já haviam sido destruídos. O município não tem Corpo de Bombeiros, e a equipe mais próxima está lotada em Altamira (PA), a cerca de 140 km.

O vídeo compartilhado pelas peças de desinformação foi publicado originalmente em um canal pró-garimpo no Kwai. Além do incêndio em Anapu, o registro também mostra imagens de maquinários e tendas com eletrodomésticos sendo destruídos em meio a uma mata. Os registros originais dessas cenas não foram localizados pelo Aos Fatos.

Ainda que a queimada não tenha sido causada por agentes federais, é fato que a PF e outros órgãos, como o Ibama, têm permissão para destruir equipamentos usados em garimpos ilegais quando não há condições de retirá-los e apreendê-los em galpões. A autorização é baseada no decreto 6.514/2008, que regulamentou a Lei de Crimes Ambientais, de 1998.

Referências:

1. YouTube

2. G1

3. O Liberal

4. Governo federal (1 e 2)

Aos Fatos
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade