PUBLICIDADE

Hormônios que engordam: descubra como seu organismo te sabota

Endocrinologista aponta quais substâncias produzidas pelo corpo podem interferir no ganho de peso

17 out 2021 12h56
| atualizado em 26/10/2021 às 11h21
ver comentários
Publicidade
Hormônios que engordam
Hormônios que engordam
Foto: Shutterstock / Sport Life

Hormônios que engordam são verdadeiros vilões silenciosos dentro de um planejamento de emagrecimento. O indivíduo acredita que faz tudo certo. Ele pratica atividades físicas regularmente, intercalando a musculação com exercícios aeróbicos. Evita ao máximo o consumo de alimentos industrializados e excessivamente calóricos. Dá preferência para carboidratos de alto índice glicêmico e alimentos ricos em proteínas. No entanto, não consegue evoluir o físico e perder aquelas gordinhas a mais.

Insiste por mais um tempo e logo começa a se questionar: o que tem de errado comigo? Nesses casos, problema pode estar relacionado à produção de hormônios que engordam. O mais recomendado é procurar ajuda de profissionais especializados em treino, dieta e endocrinologia.

De acordo com a Dra. Bruna Marisa, médica especialista em emagrecimento e membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), os hormônios são substâncias químicas que controlam inúmeras funções do organismo humano. Ter o eixo de produção hormonal abalado pode desregular vários processos do corpo e gerar prejuízos sérios para a saúde como um todo, inclusive, favorecendo o acúmulo de gordura.

Para facilitar o entendimento sobre os hormônios que engordam, a médica separou uma lista com as principais substâncias responsáveis pelo controle de peso no organismo humano. Confira:

1 - Falta de testosterona

Ao contrário do que alguns podem pensar, a testosterona não é um hormônio exclusivo dos homens. Ela também é produzida pelas mulheres e tem funções importantes.

"A maioria das mulheres usam anticoncepcional, que tem hormônios femininos. O uso desses hormônios interfere totalmente na testosterona. É necessário o acompanhamento médico para dosar essas substâncias e interpretá-las, a ponto de ajudar no controle ideal para o auxílio do processo de emagrecimento", esclarece a Dra. Bruna Marisa.

2 - Pouca produção de GH

O famoso hormônio do crescimento, geralmente, é produzido durante o sono. Pessoas que não conseguem descansar bem durante a noite podem apresentar deficiências de GH e isso pode atrapalhar o processo de emagrecimento.

"O GH é um hormônio lipolítico e precisamos dele funcionando adequadamente para que tenhamos um melhor funcionamento do metabolismo e da ação de quebra de gordura, que facilita no processo de emagrecimento", conta a médica.

3 - Problemas na tireoide

A tireoide é uma glândula responsável pela produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), que atuam em todos os sistemas do organismo, inclusive, no metabolismo. E já sabe, metabolismo lento significa pré-disposição para ganho de gordura corporal. "O hipotireoidismo é quando a tireoide produz os hormônios em uma quantidade diminuída. Com certeza isso diminui o metabolismo do corpo e, quando isso acontece, a pessoa vai ter uma dificuldade para emagrecer", diz a especialista.

4 - Excesso de cortisol

Hormônio produzido durante situações de estresse, o cortisol funciona como um mecanismo de defesa do organismo, para te deixar em estado de alerta em momentos de perigo. No entanto, nem sempre a carga tensional que ele gera no corpo é utilizada. Acumular momentos estressantes e manter o nível de cortisol alto pode ser perigoso para a saúde. Além de aumentar a glicose e favorecer o ganho de gordura corporal.

"O segredo está em saber gerenciar conflitos, saber lidar com os problemas ao invés de ficar remoendo-os. A diferença está em como você vai encarar e reagir aos acontecimentos naturais, para que isso não interfira negativamente na sua saúde - recomenda a Dra. Bruna Marisa.

A melhor maneira de saber se algum desses hormônios sabota os seus objetivos e prejudica sua saúde, é realizar exames periódicos e um bom acompanhamento médico. Caso algo anormal seja identificado, tratamentos e reposições hormonais podem resolver o problema.

Fonte: Saúde em Dia

Sport Life
Publicidade
Publicidade