PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Tragédia no RS: quase 3 mil pessoas deixaram abrigos nesta quarta, aponta Defesa Civil

Órgão emitiu novo boletim sobre os temporais que atingem o Rio Grande do Sul no começo da noite desta quarta-feira, 15

15 mai 2024 - 20h29
Compartilhar
Exibir comentários
Quase 3 mil moradores deixaram abrigos públicos nesta quarta-feira, 15, no RS
Quase 3 mil moradores deixaram abrigos públicos nesta quarta-feira, 15, no RS
Foto: GILMAR ALVES /ASI/ESTADÃO CONTEÚDO

Em meio ao temporal que assola o Rio Grande do Sul, quase 3 mil gaúchos deixaram abrigos nesta quarta-feira, 15. Entre o boletim com atualizações da última terça-feira, 14, e o desta quarta, o número de abrigados passou de 79.494 para 76.580, totalizando 2.914 moradores que deixaram os espaços públicos.

Às 18h desta quarta, a Defesa Civil do Rio Grande do Sul informou que o número de óbitos confirmados em decorrência das chuvas permaneceu em 149. Os desaparecimentos, por sua vez, caíram para 108. 

O órgão aponta, ainda, que 806 foram registrados como feridos até esta quarta. Ao todo, o Estado também tem 538.126 desalojados e uma população afetada pelo temporal que totaliza 2.144.124 habitantes. 

Com relação aos resgates em meio às enchentes e áreas de alagamento, a Defesa Civil informou que brigadistas retiraram 76.588 pessoas e 11.427 animais das regiões afetadas. 

Veja os dados completos da atualização da Defesa Civil:

  • Municípios afetados: 452
  • Pessoas em abrigos: 76.580
  • Desalojados: 538.126
  • Afetados: 2.144.124
  • Feridos: 806
  • Desaparecidos: 108
  • Óbitos confirmados: 149
  • Óbitos em investigação*: 0
  • Pessoas resgatadas: 76.588
  • Animais resgatados: 11.427
  • Efetivo: 27.651
  • Viaturas: 4.405
  • Aeronaves: 41
  • Embarcações: 340

*A Defesa Civil apura se os óbitos têm relação com as enchentes no Estado. 

Lula volta ao Rio Grande do Sul e diz que quem perdeu moradia 'vai ter sua casinha':

Trégua das chuvas

O nível do rio Guaíba, na região metropolitana de Porto Alegre, marcou 5,19 metros às 11h desta quarta-feira, 15, conforme medição da Agência Nacional de Águas (ANA). De acordo com monitoramento, o nível mostrou uma certa estabilidade em um período de 12 horas.

"A tendência é de manter esse comportamento ao longo do dia devido ao lento escoamento da cheia vinda das bacias contribuintes. Isso significa que o Guaíba se manterá em níveis elevados com prolongamento da cheia durante essa semana", informou a Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema) e a Defesa Civil do Estado.

Às 8h de terça-feira, 14, o Guaíba marcava 5,20 metros e fez com que a água voltasse a atingir as ruas da capital Porto Alegre. O bairro Lami, na Região Sul, foi um dos mais atingidos e precisou ser parcialmente evacuado. Às 15h, o rio registrou nível de 5,23.

No último dia 5, o rio chegou a 5,30 metros, quando o recorde anterior era 4,75 metros, registrado em 1941. Esse pode ser classificado como o maior desastre climático do Rio Grande do Sul na história. A cota de inundação é de 3 metros.

Ainda segundo a Defesa Civil, nas últimas 24 horas, não foram registrados volumes significativos de chuvas no Estado, mas ainda ocorre a propagação das cheias na Região Hidrográfica do Guaíba.

"O rio Jacuí apresenta níveis elevados a partir de Rio Pardo até o delta do rio na confluência com o Guaíba. Enquanto isso, os rios Taquari e Caí estão mostrando uma diminuição significativa em seus níveis ao longo de seus percursos, já saindo das cotas de inundação nas estações à montante da bacia, mas persistindo cheia na foz dos respectivos rios", informou a Defesa Civil.

Já o rio dos Sinos ainda está em elevação e o rio Gravataí segue em lento declínio. Em relação à Lagoa dos Patos, ela continua com níveis elevados e deve ser observado um comportamento de elevação.

Como doar roupas para as vítimas do Rio Grande do Sul Como doar roupas para as vítimas do Rio Grande do Sul

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade