PUBLICIDADE

Ducati amplia atuação e passa a fornecer motos da MotoE a partir de 2023

A MotoE já sabe qual marca vai fornecer equipamentos entre 2023 e 2026. A Ducati anunciou parceria com a categoria de motos elétricas para substituir a Energica, que sai de cena no fim do próximo ano

21 out 2021 11h18
| atualizado às 11h33
ver comentários
Publicidade
MotoE vai contar com motos Ducati a partir de 2023
MotoE vai contar com motos Ducati a partir de 2023
Foto: SRT / Grande Prêmio

A MotoE vive um momento de transformações, com diversas novidades nesta semana. Primeiro, a saída da Energica como fornecedora de equipamentos da categoria elétrica no fim de 2022. Nesta quinta-feira (21), a Ducati anunciou a ampliação do projeto no Mundial e foi confirmada como nova fornecedora da classe a partir de 2023.

O anúncio foi feito por Claudio Domenicali, diretor-executivo da montadora italiana, às vésperas do GP da Emília-Romanha, em Misano. A entrada da marca na categoria, segundo o dirigente, representa uma mudança nas ações da Ducati como empresa.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

A MotoE ganhou novidades para a próxima temporada (Foto: SRT)

"Nós anunciamos, hoje, a entrada da Ducati na mobilidade elétrica. Fechamos acordo com a Dorna para ser a fornecedora única de motos da MotoE entre 2023 e 2026. Isso é um passo importante para nós porque continuamos o que fizemos no passado, mas com a tecnologia que com certeza chegará às duas rodas no futuro", disse Domenicali.

"Nós, da Ducati, pensamos em performance, estilo e sofisticação. Então, decididmos em entrar no mercado de mobilidade elétrica logo no topo. Não há maneira melhor de competição para testar tudo e aprender. E queremos fazer com que nossos engenheiros sejam tão bons para desenvolvimento quanto com motores a combustão. E acho que todo mundo pode dizer que nosso motor na MotoGP é um dos melhores, talvez o melhor", completou.

A Ducati ainda não confirmou quando vai encerrar o desenvolvimento da moto, mas acredita que consegue realizar os primeiros testes já em 2022 para que seja aprovada pela Dorna e pela Federação Internacional de Motociclismo [FIM] antes da temporada 2023.

NA GARAGEM

Rossi bate Biaggi no GP da Austrália e fatura título final das 500cc

MotoE vai contar com nova fornecedora em 2023 (Foto: Divulgação/MotoGP)

Carmelo Ezpeleta, chefe da Dorna, a organizadora do Mundial, também comentou a novidade que vai entrar nas pistas no futuro próximo. "Para nós, é um dia importante. Criamos a MotoE três anos atrás e trabalhamos muito no desenvolvimento da categoria. Queremos começar esse discurso agradecendo muito a Energica, por permitir a realização da classe", afirmou o dirigente.

"Conversamos com diferentes montadoras e finalmente falamos com a Ducati. O projeto apresentado a nós cobria todos nossos objetivos e ficamos felizes de anunciar esse acordo com eles, com início para 2023. Achamos que é o início de uma nova era para a MotoE", seguiu.

A temporada 2021 da MotoE foi concluída em setembro e teve o título do espanhol Jordi Torres, da equipe Pons. 19 pilotos participaram do campeonato, que teve sete corridas. Eric Granado é o único brasileiro do grid. Recentemente, a classe de motos elétricas decidiu fazer grandes mudanças para a temporada 2022, principalmente no formato dos finais de semana, com nova classificação e duas corridas por etapa.

Grande Prêmio
Publicidade
Publicidade