PUBLICIDADE

Lima

Lima é um dos mais antigos centros comerciais do continente

ver comentários
Publicidade

Fundada em 1535 pelo conquistador Francisco Pizarro, Lima foi construída em um vale às margens do rio Rimác, numa região árida do litoral do atual Peru. A cidade nasceu para ser a capital da colônia que os espanhóis criaram após conquistar o Império Inca e seu surgimento marcou o início de uma nova era na América do Sul.

Colonizada pelos espanhóis, a maior cidade do Peru ainda preserva importantes edifícios históricos
Colonizada pelos espanhóis, a maior cidade do Peru ainda preserva importantes edifícios históricos
Foto: Shutterstock


Com a derrota da mais poderosa civilização nativa da região, Lima se tornou o centro político e comercial do Vice-Reino do Peru, divisão administrativa do Império Espanhol que se estendia pelos territórios dos atuais atuais Argentina, Chile, Bolívia, Equador, Panamá, Paraguai, Uruguai e parte do Brasil. Entre os séculos 16 e 17, a prata retirada das minas da região era despachada para a Espanha a partir de Lima, o que fez da cidade o centro de uma vasta rede comercial que ligava América, Europa e Ásia Oriental.
 

No fim do século 17, no entanto, a prata começou a ser embarcada para a Europa a partir de Buenos Aires. A concorrência prejudicou Lima, que deixou de ser o principal centro comercial da região. A crise econômica foi agravada por terremotos que atingiram a cidade entre as décadas de 1680 e 1740.
 

Essa decadência só começou a ser revertida em 1821, quando o general argentino José de San Martín proclamou a independência da República do Peru e fez de Lima sua capital, onde mandou construir o Congresso. Era o começou de uma fase na vida da cidade, que se tornou o centro econômico e político do país andino.  
 

De lá para cá Lima cresceu em ritmo acelerado, até se tornar uma das maiores cidades da América do Sul. Atualmente a capital tem 7,6 milhões de habitantes, número que sobe para 8,5 milhões em toda a região metropolitana. Além disso, a cidade abriga o principal centro financeiro do Peru, o bairro de San Isidro, onde estão as sedes da maioria das instituições financeiras que atuam no país, como o Banco de la Nación, Interbank, HSBC, Citibank, Banco Continental, entre outros.
 

Lima também conta com mais de 50 museus, grandes empresas nacionais e multinacionais, diversos órgãos do governo peruano e a Bolsa de Valores do país. Comércio, indústria e turismo são as principais atividades econômicas da capital, que é responsável por 53% do PIB peruano.
 

No centro histórico, área mais popular da cidade, ficam alguns dos cartões postais da capital, como a Plaza de Armas (marco zero do município), o Palácio do Governo, a Prefeitura, o Parque de la Bandera e a Catedral de Lima, onde se inicia a rua mais movimentada da metrópole, o calçadão Jirón de la Unión, que leva à Plaza San Martín. Para quem busca diversão, os bairros de Miraflores e Barranco oferecem uma vida noturna intensa, com bares, restaurantes e shoppings.
 

Apesar de ser banhada pelo Oceano Pacífico, a capital não tem jeito de cidade praiana. O calor – que pode chegar facilmente aos 30°C no verão –, o contraste social –  que vai do cosmopolitismo de alguns bairros à pobreza da periferia – e a poluição causada por indústrias e carros, podem fazer a estadia do viajante durar uma semana ou apenas algumas horas, dependendo do gosto.

Fonte: PrimaPagina
Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade