1 evento ao vivo

O homem transgênero que seguiu 'instinto materno' para dar à luz

Aos 30 anos, jornalista decidiu começar uma família e parou de tomar hormônios para conseguir engravidar.

11 set 2019
12h12
atualizado às 12h22
  • separator
  • 0
  • comentários

Ao completar 30 anos, Freddy McConnell sentiu que havia chegado a hora de começar uma família.

Freddy McConnell precisou parar de tomar testosterona para começar tratamento de fertilização
Freddy McConnell precisou parar de tomar testosterona para começar tratamento de fertilização
Foto: Manuel Vázquez / BBC News Brasil

"Não são apenas as mulheres que têm instinto materno", diz o jornalista britânico, cuja jornada em busca da paternidade foi retratada pelo documentário Seahorse, apresentado nesta semana pela BBC.

O que faz da história de McConnell especial é que ele é um homem transgênero e foi ele quem deu à luz o bebê, após ter feito tratamento de transição de gênero feminino para masculino há alguns anos.

Não foi uma decisão fácil, mas ter o próprio filho parecia "a opção mais pragmática e mais simples", contou o jornalista, que trabalha para o jornal britânico The Guardian.

Congelar os óvulos e conseguir uma barriga de aluguel ou iniciar um processo de adoção (sobretudo como um homem transgênero solteiro), diz ele, nem sempre são bem-sucedidos.

Tratamento

Em entrevista ao The Guardian, McConnell relembrou sua infância feliz, mas complexa, devido aos problemas de identidade de gênero.

A primeira tentativa de engravidar fracassou, mas a segunda foi bem-sucedida
A primeira tentativa de engravidar fracassou, mas a segunda foi bem-sucedida
Foto: Manuel Vázquez / BBC News Brasil

Quando criança, McConnell teve disforia de gênero, termo usado para descrever a ansiedade sofrida por um indivíduo que se identifica com o gênero oposto ao atribuído a ele no nascimento.

Como acontece com muitas pessoas transgênero, ele foi vítima de bullying na escola e das provocações cruéis dos colegas, uma vez que seu comportamento não correspondia ao que se esperava de uma menina.

O desconforto com o próprio corpo se intensificou até que, aos 25 anos, ele decidiu fazer o tratamento de transição de gênero tomando testosterona.

Um ano depois, fez uma cirurgia para remover o tecido mamário.

Mas pensou duas vezes na hora de considerar uma histerectomia, cirurgia de retirada do útero. Não queria eliminar permanentemente a possibilidade de ter filhos.

Quando parou de tomar testosterona, McConnell voltou a menstruar
Quando parou de tomar testosterona, McConnell voltou a menstruar
Foto: Danny Burrows / BBC News Brasil

Esme Chilton, mãe de McConnell, lembra do dia em que o filho contou como se sentia.

"Ele estava na faculdade, em Edimburgo, bastante infeliz. E me disse: 'Sou menino e quero ser menino, me senti assim a vida toda'."

Caminho inverso

O documentário relata o estresse que McConnell começou a sentir quando parou de tomar testosterona com a ideia de engravidar, e seu corpo começou a fazer o caminho inverso.

A falta do hormônio fez com que, entre outras coisas, ele voltasse a menstruar. Isso possibilitou que ele iniciasse um tratamento de fertilização com o esperma de um doador.

Após buscar informações na internet e ver que casais trans nos Estados Unidos haviam engravidado com sucesso, McConnell se atreveu a tentar.

A primeira tentativa não deu resultado, mas a segunda confirmou que ele estava esperando um bebê.

McConnell se sentia menino desde pequeno, mas também sabia que queria começar uma família
McConnell se sentia menino desde pequeno, mas também sabia que queria começar uma família
Foto: Freddy McConnell / BBC News Brasil

Seahorse (Cavalo-marinho, em tradução livre, em referência à espécie em que o macho engravida) também mostra o momento em que McConnell dá à luz na piscina do hospital, acompanhado da mãe.

Hoje, o filho Jack tem um ano e mora com o pai em uma cidade costeira da Inglaterra.

Viver em uma cidade pequena cercado pelo apoio da família e amigos, diz ele, é muito mais confortável do que, por exemplo, em uma grande cidade como Londres.

O futuro

Mas, embora tenha o apoio do seu núcleo próximo, ele sabe da rejeição e falta de compreensão que a comunidade transgênero sofre. Por isso, apesar de ser uma pessoa tímida e reservada, decidiu fazer um documentário tão íntimo.

Sua ideia com este filme, afirmou McConnell ao The Guardian, é normalizar a vida dos transexuais.

"Achei que poderia ser uma boa oportunidade para promover a empatia", declarou.

"A empatia é fundamental para convencer as pessoas de que os transexuais são, de fato, bastante normais e levam uma vida que não é extraordinária, tampouco assustadora."

McConnell não descarta ter mais filhos no futuro, mas acredita que pode aumentar a família sem necessariamente ter de ser a pessoa que vai carregar seu próximo filho no ventre.

Veja também:

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade