1 evento ao vivo

Carnaval: cinco destinos e oito dicas do que comer e beber

Autora do livro ‘Culinária brasileira, muito prazer’ sugeriu quitutes típicos nacionais para os lugares mais procurados durante a folia

28 fev 2019
22h41
  • separator
  • 0
  • comentários

Nem só de fantasia, glitter e música se faz um Carnaval. Para os glutões de plantão, a folia pode ficar perfeita com aquele quitute típico da cidade — e de quebra forrar o estômago vazio, que ‘maratonou’ os longos blocos. 

Quitutes típicos são a pedida dos foliões para aproveitar o melhor do Carnaval
Quitutes típicos são a pedida dos foliões para aproveitar o melhor do Carnaval
Foto: iStock

Para facilitar na escolha do cardápio, Roberta Saldanha, autora do livro ‘Culinária brasileira’, preparou um guia com cinco destinos mais procurados pelos brasileiros durante o Carnaval, e sugeriu oito opções de pratos e bebidas para os foliões aproveitarem o feriado, como os locais, e com o melhor que cada local pode oferecer, gastronomicamente falando.

Salvador (BA)

Capeta

Capeta, bebida típica de Salvador (BA)
Capeta, bebida típica de Salvador (BA)
Foto: Divulgação

A bebida mistura mel, guaraná em pó, limão-taiti espremido e uma dose de bebida alcóolica (gim, rum, uísque, cachaça, conhaque ou tequila).

Acarajé

Acarajé foi tombado pela Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional
Acarajé foi tombado pela Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional
Foto: iStock

Não dá para ir à Bahia e não experimentar o famoso acarajé. O bolinho de feijão-fradinho frito no azeite de dendê é servido com camarão seco, cebola e molho ardente de pimenta. Típico da culinária baiana, o famoso bolinho foi tombado pela Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 2004. O ofício das baianas do acarajé também foi reconhecido e regulamentado como profissão.

Rio de Janeiro (RJ)

Bombeirinho

Drinque de botecos dos anos 1980
Drinque de botecos dos anos 1980
Foto: Cocktail Para Todos / Reprodução

Drinque de botecos dos anos 1980, ele é uma mistura de cachaça com xarope de groselha.

Recife (PE)

Chegadinho

Biscoito de massa crocante, o Chegadinho é feito de farinha, açúcar e água em forma de canudo ou de cone, que leva nomes como cavaco chinês, biju, taboca, cascalho ou cavaquinho. Seco e quebradiço, o biscoito é comercializado por ambulantes, que anunciam a iguaria tocando triângulo pelas ruas.

Capilé

Capilé, refresco do verão
Capilé, refresco do verão
Foto: Comidas Caseiras / Reprodução

Refresco de verão, o capilé é feito com um pouco de vinho tinto, água e muito açúcar.

Fortaleza (CE)

Maxixada

Maxixada, prato leva maxixe, ingrediente típico do Nordeste
Maxixada, prato leva maxixe, ingrediente típico do Nordeste
Foto: Helena Peixoto/Editora Globo / Reprodução

Prato que leva cebola, coentro e maxixe: leguminosa verde, redonda e de sabor suave, é ingrediente tradicional do Nordeste brasileiro, onde é largamente consumido em refogados e cozidos. O prato sofre variações em alguns estados nordestinos. No Ceará, é feito com carne seca.

Aluá

Aluá também é chamado de aruá
Aluá também é chamado de aruá
Foto: Mel e Pimenta / Reprodução

Também chamado de aruá, tem origem indígena e é preparado com milho ou casca de abacaxi, água, raiz de gengibre (esmagada ou ralada) e açúcar. A mistura é posta para fermentar em pote de barro por no mínimo três dias. No Ceará, é comumente preparada com farinha de milho e água.

Ouro Preto (MG)

Filé à JK

Filé à JK, reza a lenda que o prato foi criado pelo ex-presidente Juscelino Kubitschek
Filé à JK, reza a lenda que o prato foi criado pelo ex-presidente Juscelino Kubitschek
Foto: Divulgação

Filé-mignon à milanesa, recheado com queijo e presunto, acompanhado de arroz com ervilhas e ovos, batata e bananas fritas. Reza a lenda que o prato foi criado pelo ex-presidente Juscelino Kubitschek em uma de suas inúmeras visitas a Minas Gerais.

Veja também:

 

 

 

Fonte: Equipe portal
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade