2 eventos ao vivo

Acesso Digital quer ajudar empresas a resolver tudo pela internet

Empresa dona de solução de assinatura digital que envolve biometria facial recebeu aporte de R$ 580 milhões liderado por SoftBank e General Atlantic

26 out 2020
05h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Quando estava em início de carreira, Diego Martins tinha um sonho: ser presidente executivo de uma empresa. "Eu trabalhava numa empresa de gestão de documentos e tinha essa ambição. Montei slides e fui vender um plano para os sócios, pedindo para assumir o cargo. Deu errado, mas foi ali que eu percebi que devia empreender para poder ser um executivo", conta. Treze anos depois, o sonho deu certo: ele é o presidente executivo da Acesso Digital, startup que cuida de identidades digitais na internet e recebeu este ano um aporte de R$ 580 milhões liderado pelo SoftBank e pela General Atlantic.

Fundada em 2007, depois de ter sido rascunhada como trabalho de conclusão de curso de Martins em Marketing, a empresa utiliza tecnologia para facilitar o processo de identificação pela rede. "Na internet, estamos o tempo todo nos identificando com senhas, contas, o que queremos resolver é que esse processo seja simples, com tudo passando por uma chave de acesso, que é a biometria facial", explica Martins. "Assim, conseguimos facilitar processos como assinatura digital de contratos, pagamentos ou até mesmo admissão de pessoas à distância."

Era algo que não acontecia muito antes da pandemia começar, mas se tornou um negócio importante durante a quarentena. De março a setembro, a Acesso Digital ajudou seus clientes a fazerem mais de 75 mil contratações, resolvendo tudo pela internet. Também permitiu que mais de 500 mil contratos fossem assinados com assinatura eletrônica, por funcionários das empresas que a contrata - entre os clientes, há varejistas como Carrefour e Pernambucanas, bancos e operadoras.

Com isso, o faturamento da empresa também aumentou: nos seis primeiros meses da quarentena, a receita subiu 28%. O crescimento foi, na visão de Martins, o que atraiu os investidores. "O que os fundos viram é que nós vamos ser a principal infraestrutura de transformação digital das empresas", diz o executivo.

Com os recursos do aporte, a Acesso Digital pretende crescer em duas frentes: contratando pessoas e comprando empresas. Antes mesmo do cheque, a empresa já havia comprado a Meerkat, uma startup gaúcha de análise de imagens. Outras aquisições devem vir em breve, diz Martins, que hoje comanda um time de 250 pessoas. "Temos mais de 100 vagas em aberto e a meta é ter chegar a cerca de 450 pessoas até o final do ano que vem. O maior desafio vai ser achar os talentos", afirma.

Hoje com o sonho realizado de ser um executivo com um grande time à frente, Martins se depara com outras questões. Uma delas é bastante ambiciosa: como fazer o Brasil ter gigantes globais de tecnologia. Outras são mais simples, mas podem ditar o futuro do trabalho: apesar de ajudar os clientes a resolverem tudo pela internet, o fundador da Acesso Digital tem dúvidas se a empresa funcionar sempre em trabalho remoto é o melhor caminho. "A produtividade aumentou muito no home office, mas a cultura, a criatividade e a ideação podem ser afetados. Nosso desafio está bem no meio do caminho entre produtividade e criatividade", afirma. "Algum modelo híbrido a gente vai ter que encontrar."

Leia agora as histórias de startups que se destacaram nos últimos meses

Veja também:

Como a Tesla fez de Musk a 2ª pessoa mais rica do mundo
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade