PUBLICIDADE

'Valor de uma pessoa não depende de dinheiro no banco', diz Papa

19 set 2021 14h32
| atualizado às 15h38
ver comentários
Publicidade

O papa Francisco afirmou neste domingo (19) que os católicos são chamados a servir, em particular, quem precisa e "não tem como retribuir".

'Valor de uma pessoa não depende de dinheiro no banco', diz Papa
'Valor de uma pessoa não depende de dinheiro no banco', diz Papa
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

"O valor de uma pessoa não depende do papel que desempenha, do sucesso que tem, do trabalho que faz, do dinheiro no banco; não, não depende disso: a grandeza e o sucesso, aos olhos de Deus, têm um padrão diferente, são medidos pelo serviço", ressaltou o Pontífice durante a recitação do Angelus, na Praça São Pedro.

Jorge Bergoglio convidou todos a rejeitar a visão centrada no sucesso exterior e enfatizou que, para um cristão, o verdadeiro valor está "não no que se tem, mas no que se dá".

"Você quer se destacar? Sirva. A nossa fidelidade ao Senhor depende da nossa disposição para servir. E isso, sabemos, custa", apontou.

Segundo o religioso, "quanto mais servimos, mais sentimos a presença de Deus, principalmente quando servimos aqueles que não têm nada para nos dar em troca, os pobres, abraçando as suas dificuldades e necessidades, com terna compaixão".

O Papa declarou que, quando as pessoas aumentam este cuidado e disponibilidade para com os outros, elas se tornam mais "livres interiormente, mais semelhantes a Jesus". "Acolhendo quem está marginalizado, abandonado, acolhemos Jesus, porque Ele está ali", acrescentou.

Francisco rezou ainda pelas pessoas que estão "injustamente detidas em países estrangeiros", considerando que, "infelizmente", existem muitos casos, por diversas razões, "e por vezes complexas", além de desejar que todos possam "regressar a casa o mais rapidamente possível", no "devido cumprimento da Justiça".

Por fim, o líder da Igreja Católica lembrou das recentes inundações no México. "Estou próximo das vítimas das inundações que ocorreram no estado de Hidalgo, no México, em especial dos enfermos que morreram no hospital de Tula e seus familiares", concluiu.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade