PUBLICIDADE

Política

Bolsonaro afirma que 'não está tudo certo' com Tarcísio e critica postura política do governador

Ex-presidente disse que 'não manda' no governador de São Paulo e que o aliado 'dá suas escorregadas' politicamente

16 nov 2023 - 18h47
(atualizado às 19h06)
Compartilhar
Exibir comentários
Ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos)
Ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos)
Foto: Reprodução/Twitter:@tarcisiogdf

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta quinta-feira, 16, que a sua relação com o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos) está estremecida e criticou a postura política do seu ex-ministro. "Não, não está tudo certo. Eu não mando no Tarcísio. É um baita de um gestor. Politicamente, dá suas escorregadas", disse em entrevista à Rádio Gaúcha.

A reforma tributária foi o ápice das discordâncias entre os dois. Tarcísio, que foi ministro da Infraestrutura de Bolsonaro e se elegeu governador como candidato do ex-presidente, apoiou a reforma desde o começo da tramitação e tentou persuadir o antigo chefe a acompanhá-lo.

A relação de Tarcísio com o ex-presidente e seu clã tem sido atravessada por discordâncias e conflitos. O governador tem sido emparedado por aliados mais radicais de Bolsonaro, que cobram fidelidade do ex-ministro.

O apagão que deixou mais de 2 milhões de pessoas sem energia na Grande São Paulo no último dia 3 provocou uma onda de críticas ao governador - a Enel, que fornece energia, foi privatizada em 2018, e hoje Tarcísio trabalha para privatizar a Sabesp, a companhia de saneamento básico. Fábio Wajngarten, assessor pessoal de Bolsonaro, usou o momento para criticar abertamente a desestatização da Sabesp.

Paralelamente, aliados do ex-presidente prometeram levar ao Supremo Tribunal Federal (STF) informações que podem influenciar o ministro André Mendonça a decidir contra a privatização da Sabesp. Ele é o relator de uma ação do PSOL sobre o assunto e também teve uma discordância com Tarcísio, por causa de uma indicação para o Tribunal de Contas do Estado (TCE).

No plano da eleição municipal de 2024, Bolsonaro vive um vaivém com o atual prefeito Ricardo Nunes (MDB), com quem tenta construir uma aliança enquanto o PL aposta em outras alternativas - como o senador Marcos Pontes (PL-SP), que chegou a ser apresentado como pré-candidato da sigla. O deputado federal Ricardo Salles (PL-SP), que também foi ministro de Bolsonaro, voltou a citar sua pré-candidatura, mesmo que tenha que sair por outro partido - sem minar sua fidelidade ao ex-presidente.

Tarcísio tem se firmado ao lado de Nunes, que disputa o primeiro lugar nas intenções de voto com o deputado federal Guilherme Boulos (PSOL-SP). Os dois estiveram juntos nesta quarta, 15, na inauguração de uma nova sede da Assembleia de Deus em Belém, na zona leste da capital paulista. Além de firmar o vínculo entre os dois, o gesto é um aceno ao eleitorado evangélico, em que a esquerda tem menos inserção.

Apesar das rusgas, Tarcísio não bate de frente com o ex-presidente. No último dia 9, ele sancionou um projeto de lei, proposto por ele próprio, que anistia multas por falta de uso de máscara durante a pandemia da covid-19. Bolsonaro é beneficiário direto da medida, pois deve R$ 1,1 milhão aos cofres públicos do Estado de São Paulo por não ter usado máscara em cinco ocasiões durante a pandemia.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade