PUBLICIDADE

Roupa inapropriada e toques em partes íntimas: as denúncias contra Pedro Guimarães 

MPF apura acusações de assédio sexual contra presidente da Caixa

29 jun 2022 - 10h41
(atualizado às 10h52)
Ver comentários
Publicidade
Pedro Guimarães
Pedro Guimarães
Foto: Reuters

Alguns relatos das mulheres que denunciaram o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, dão conta de condutas inapropriadas, situações desconfortáveis e até toques em partes íntimas durante abraços longos do chefe.

À TV Globo, vítimas deram detalhes da conduta de Guimarães, que está sendo investigado pelo Ministério Público Federal (MPF).

As denunciantes dizem que usavam o canal de denúncias do banco estatal, mas nada foi feito. Entre os relatos, está o costume de Guimarães em tocar partes íntimas durante abraços.

"Abraços mais fortes, me abraça direito e nesses abraços o braço escapava e tocava no seio, nas partes íntimas atrás, era dessa forma", disse uma delas.

De samba-canção

Outra vítima relatou ainda uma ocasião em que levou um carregador de celular para o presidente da Caixa, a seu pedido, e foi recebida pelo chefe vestindo apenas uma samba-canção.

"Ele pediu que eu levasse até o quarto dele à noite um carregador de celular e ele estava com as vestes inadequadas, estava vestido de uma maneira muito informal de cueca samba canção. Quando cheguei pra entregar, ele deu um passo para trás me convidando para entrar no quarto. Eu me senti muito invadida, muito desrespeitada como mulher e como alguém que estava ali para fazer um trabalho. Já tinha falado que não era apropriado me chamar para ir ao quarto dele tão tarde e ainda me receber daquela forma. Me senti humilhada".

Uma das mulheres disse ainda que Guimarães pedia que as funcionárias bebessem vinho com ele, e tinha um comportamento insistentes, e certas 'brincadeiras' que as deixavam desconfortáveis.

"Eu só fingi que estava bebendo o vinho e tudo e aí ele ele começou a fazer umas brincadeiras. Aí na hora de pagar a conta pediu um abraço. Aí falou: 'Ah'. Eu tentei manter a distância. 'Ah, um abraço maior'. Eu fiquei muito sem graça, que eu já vi que ele já, né? A gente já sabe da fama. Eu sabia da fama dele já, então eu me reservei o máximo possível. E aí ele: 'não, mas abraça direito. Abraça direito, porque é... você não gosta de mim'. Aí na hora que ele, na terceira vez que ele fez eu abraçar ele, ele passou a mão na minha bunda".

O caso

O portal Metrópoles publicou nessa terça-feira que o executivo é investigado pelo Ministério Público Federal por suposto crime de assédio sexual.

As denúncias foram feitas por funcionárias da Caixa Econômica Federal. Cinco mulheres relataram as abordagens inapropriadas do presidente do banco.

Em nota, a Caixa informou que não tem conhecimento sobre as denúncias de assédio sexual contra Guimarães e que tem protocolos de prevenção contra casos de qualquer tipo de prática indevida por seus funcionários.

"A Caixa não tem conhecimento das denúncias apresentadas pelo veículo. A Caixa esclarece que adota medidas de eliminação de condutas relacionadas a qualquer tipo de assédio. O banco possui um sólido sistema de integridade, ancorado na observância dos diversos protocolos de prevenção, ao Código de Ética e ao de Conduta, que vedam a prática de 'qualquer tipo de assédio, mediante conduta verbal ou física de humilhação, coação ou ameaça', informou, em nota ao site.

* Com informações do Estadão Conteúdo

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade