PUBLICIDADE

No BBB24 Davi erra ao falar que é homem e não é viado

Independentemente de ser uma forma habitual de baiano falar, impossível negar a origem homofóbica da “expressão”

15 jan 2024 - 11h37
(atualizado às 11h44)
Compartilhar
Exibir comentários
Expressão usada por Davi no BBB24 é gíria na Bahia, mas gerou controvérsia nas redes sociais
Expressão usada por Davi no BBB24 é gíria na Bahia, mas gerou controvérsia nas redes sociais
Foto: Reprodução/TV Globo

Rolou votação do BBB24 ontem à noite e o participante Davi usou um termo muito comum na Bahia, “sou homem, não sou viado, não”, durante uma discussão com outro participante do reality. Após o ocorrido, Michel, que é um homem cisgênero gay, chamou Davi de canto e disse que a palavra usada é pesada e que ofende uma minoria muito perseguida. 

Davi então falou que estava muito estressado, que não teve a intenção de machucar ninguém, falou o quanto gosta dele e não falou aquela frase que ao meu ver denota descaso, “desculpa se te ofendi”.

As redes sociais se dividiram muito sobre a problemática. Um tweet dizia assim: “eu como baiano e gay confirmo: essa fala dele não foi homofóbica, isso é gíria da Bahia, eu sou gay e falo assim. #BBB24”. Já outro ironizou dizendo “ser gay na Bahia deve ser bom demais, já que lá não existe homofobia”. 

Dos tweets o que mais se assemelhou ao meu modo de pensar foi o do Gil do Vigor. “Em pleno 2024 não podemos normalizar a frase 'sou homem, não sou viado' como gíria, seja quem for. As pessoas não merecem linchamento virtual, mas também não podemos simplesmente fecharmos os olhos e fingirmos que não foi uma fala homofóbica, seja quem for, errou e pronto! E não falo sobre torcida e BBB, é geral, vocês reclamam de pessoas isentas dentro dos realities mas, muitas vezes, nós mesmos nos isentamos aqui fora. Vigorem, boa noite e vida que segue!”, postou.

Falando um pouco de mim agora, que sou baiano, posso confirmar tranquilamente que, de fato, essa é uma frase cotidiana por aqui. Conheço gays que falam, eu mesmo já falei muito, inclusive em um passado recente. Foi muito difícil para mim largar esse hábito mesmo trabalhando com questões sociais e me policiando para caramba. Digo isso porque penso, e aí pode até ser uma passada de pano: se eu, um cara que estou nesse meio, produzindo conteúdo, ainda cometo falhas, como um cara de 21 anos, da periferia, que trampa em um dos trabalhos mais precarizados do século (motorista de aplicativo) não irá cometer?

Não estou dizendo que ele não deva ser cobrado, não estou dizendo que você não tem o direito de estar p* e querer tirá-lo do programa, afinal, cada um sabe onde sua dor aperta. 

Só estou dizendo que jovens periféricos, sobretudo negros, têm muito menos acesso a esse tipo de informação. Não só por acesso, mas também por tempo, já que, a prioridade dessa parcela da população é a sobrevivência. 

Tanto o Davi, quanto o Luigi escancaram como tem uma galera progressista que tem ojeriza com quem vem da favela, tanto em estética, como em costumes. E repito: você tem todo o direito de estar chateado, assim como eu fiquei como falei no texto “BBB24: e quando o 'macaca' vem de outro negro?”. No mesmo ponto que fiquei p*, eu fiz uma análise de onde esse cara vem e, não por coincidência, hoje, já tem muita gente gostando do Luigi.

Eu escrevo esse tipo de texto porque teve uma participante branca, loira, camarote do programa passado que era superproblemática, com várias atitudes racistas e agressivas e que quase chegou à final do programa. Tivemos agressor de mulher ganhando reality na emissora do bispo, teve uma tal de Paula ganhando o BBB que teve dezenas de falas preconceituosas, ou seja, tivemos uma série de brancos que ou chegaram muito longe ou venceram o programa com erros iguais ou piores do que o do Davi. Mas para esses rolou perdão e condescendência, coisa que dificilmente acontece com pessoas negras dentro do programa.

Quando Davi estava sendo superenaltecido por ser cuidadoso com geral, fazendo café para todas e todos, separando feijão sem carne para Wanessa que é vegana, acolhendo meio mundo de gente que estava mal, eu, conhecendo o BBB, já tinha falado no eterno Twitter: “vai ser triste no futuro quando Davi tiver o mínimo erro, ver a galera esquecendo disso tudo e esculachando ele. Não crio mais esperança em reality, no final o público sempre escolhe as 'Amandas' da vida".

Tudo bem que não foi mínimo, mas é visível a forma que o público pesa muito mais a mão quando o erro vem de gente preta. Espero que dessa vez seja diferente, que ele seja cobrado, mas não seja resumido a isso.

Fonte: Redação Nós
Compartilhar
Publicidade
Publicidade