PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Empresária morta a tiros por ex-marido dentro de loja gritou por socorro, afirma MP

Funcionários ouviram os gritos de socorro da vítima, mas quando chegaram ao local ela já estava morta

17 abr 2024 - 12h50
(atualizado às 16h37)
Compartilhar
Exibir comentários
Regiane Pires da Silva foi morta a tiros pelo ex
Regiane Pires da Silva foi morta a tiros pelo ex
Foto: Reprodução/Redes sociais

O Ministério Público de Goiás (MPGO) denunciou Edney Pereira dos Santos, de 39 anos, suspeito de matar com três tiros a ex-esposa Regiane Pires da Silva, de 39, depois de descumprir medida protetiva que o obrigava a manter distância de 300 metros da vítima. O crime ocorreu no dia 28 de março, em Anápolis (Goiás).

O feminicídio ocorreu dentro do escritório de uma loja de venda de autopeças que pertencia ao ex-casal, mas que era administrada por Regiane desde a separação --eles possuíam duas lojas do ramo, uma em frente à outra.  

Segundo consta na denúncia, o casal estava separado há mais de um ano, mas, até o mês de outubro do ano passado, viviam sob o mesmo teto. No entanto, a vítima, diante de vários atos de violência praticados pelo ex-marido, decidiu solicitar uma medida protetiva e, em janeiro deste ano, entrou com o pedido de divórcio. O casal, no entanto, teve um desentendimento quanto à divisão dos bens.

Ainda de acordo com a denúncia, no dia 28 de março, por volta das 13h, a vítima pediu que uma funcionária fosse até a outra loja, administrada pelo ex-marido, pedir que ele ajudasse a encontrar a chave de um cofre onde ficavam guardadas suas joias.

Segundo a funcionária, Edney autorizou que ela procurasse o objeto e disse que iria até o carro buscar algo. O suspeito, então, pegou a arma do crime e foi até a loja vizinha, descumprindo a medida protetiva. 

De acordo com o MP, ao chegar ao local, ele passou por dois funcionários, e foi ao escritório onde estava Regiane. Imagens de câmera de segurança mostraram que ele agrediu a mulher e, posteriormente, efetuou os três disparos. Os funcionários ouviram os gritos de socorro da vítima, mas quando chegaram ao local ela já estava morta. 

Suspeito fugiu para o Tocantins

Segundo a denúncia contra o empresário, ao sair da loja em direção ao carro, ele ainda realizou um outro disparo em via pública e depois fugiu no veículo.

Acionada, a polícia conseguiu rastrear o carro e ver que Edney deixou a cidade de Anápolis rumo a Goiânia. Na cidade de Senador Canedo, ajudado por um irmão, ele entregou o carro e a arma usada no crime a um sobrinho e fugiu em outro veículo. Ao ser interrogado, o sobrinho afirmou que só foi até o local porque teria sido induzido ao erro. Diante das provas, o suposto ajudante não foi denunciado.

O autor dos disparos que mataram Regiane Pires e o irmão fugiram rumo ao Tocantins, sendo abordados na cidade de Araguaçu, na Região de Alvorada do Tocantins. Assim que foi abordado e identificado, o denunciado recebeu voz de prisão, passou por audiência de custódia, e teve a prisão temporária convertida em preventiva. 

A promotora de Justiça Carla Brant Corrêa Sebba Roriz, titular da 13ª Promotoria de Justiça de Anápolis, denunciou o suspeito com base no:

  • artigo 24-A da Lei nº 11.340/06 (descumprir medida protetiva),- artigo 21 da Lei de Contravenções Penais, combinado com artigo 5º, III e 7º, I da Lei nº 11.340/06 (violência doméstica contra a mulher);
  • artigos 121, parágrafo 2º, II e VI, combinado com artigo 121, parágrafo 2º-A, I do Código Penal (homicídio por motivo torpe), combinado com artigo 5º, III da Lei n.11.340/06 e;
  • artigos 15 e 14 da Lei nº10.826/03 (porte ilegal de arma), ao final na forma do artigo 69 (concurso material) do Código Penal.    

Segundo o MP, o irmão de Edney que o ajudou na fuga não foi denunciado como base no artigo 348, parágrafo 2º do Código Penal --se quem presta o auxílio é ascendente, descendente, cônjuge ou irmão do criminoso, fica isento de pena. Já o denunciado aguarda ser transferido do presídio da cidade de Alvorada do Norte para o presídio de Anápolis.

O Terra tenta localizar a defesa do empresário. O espaço segue aberto para manifestações. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade