PUBLICIDADE

Poatan largou os estudos, trabalhou em borracharia e é o futuro do UFC após superar o alcoolismo

Especialista em Kickboxing, lutador já derrotou Adesanya, campeão dos médios, e treina com Glover Teixeira para crescer na organização

1 jul 2022 - 20h10
Ver comentários
Publicidade

Alexsandro Pereira, o Alex Poatan, é uma das revelações do UFC brasileiro. Crescendo a partir do kickboxing, o lutador encara Sean Strickland, número 4 no ranking, neste sábado para, finalmente, ser ranqueado nos pesos-médios. Há menos de um ano na organização, ele já disputou dois combates, saindo vitorioso em ambos.

Poatan se destaca no kickboxing, seu diferencial no MMA. Primeiro lugar no ranking de peso médio e meio-pesado de kickboxing antes de assinar com o UFC, o currículo do brasileiro justifica a expectativa colocada sobre seus ombros. Adesanya, atual campeão dos médios, já enfrentou Poatan em duas oportunidades - sendo derrotado em ambas também.

Essa maré de sucesso e os frutos que o brasileiro colhe nem sempre estiveram presentes em sua vida. Muito antes de conhecer o mundo das lutas, Alex largou os estudos logo cedo, ainda na infância, e com 12 anos passou a trabalhar em uma borracharia. "Sempre fui um cara com dificuldades para estudar. Não gosto, mas como eu tinha largado a escola e passei a só trabalhar, procurei outras oportunidades de sair dessa vida dura", afirma o lutador, em entrevista ao Estadão.

O vício com o álcool também esteve presente durante sua adolescência. "Eu bebia muito quando era menor, brigava na rua quando era criança", conta o lutador. Segundo ele, a bebida e o alcoolismo passaram a atrapalhar seu trabalho e sua própria vida pessoal. "Chegou a um ponto insustentável, em que não conseguia parar de beber, por mais que quisesse. Acordava no dia seguinte e ia trabalhar destruído. Não aguentava mais. Pela ironia do destino, foi a partir dessas "brigas" quando jovem que surgiu uma oportunidade de largar as drogas e o vício.

"Só queria ter uma qualidade de vida melhor e todos diziam para mim que o 'esporte é uma saída'. Então, fui em busca disso, na academia, e meu primeiro treinador, o 'Ninja', me apresentou ao mundo do kickboxing. E eu nunca mais larguei". A partir de seu esforço e força de vontade, Poatan se destacou durante os treinamentos e cresceu no mundo das lutas.

Nesses primeiros passos no UFC, o brasileiro recebe o apoio do Glover Teixeira, ex-campeão da divisão do meio-pesado. Antes de defender seu cinturão no UFC 275, Glover afirmou ao Estadão que via em Poatan um futuro campeão da organização. Para o novato, isso é um fator a mais para sua carreira, com os elogios vindos de um campeão. "Sempre que converso com ele (Glover Teixeira), o vejo empolgado com meu crescimento, minha evolução. Ele vê como me saio nos treinos, toda a minha dedicação. Ele é um lutador experiente e já viu como muitos se comportam. Se ele vê que eu estou no caminho certo, só me dá mais confiança para seguir em frente", diz.

Com 34 anos, um longo caminho percorrido na vida e nas lutas, Poatan tem ciência de que é o esporte que o colocou "nos trilhos". "O esporte muda. Se eu pudesse falar comigo mesmo, 10, 20 anos atrás, eu diria para largar as bebidas e entrar no esporte, qualquer que seja, o quanto antes. A minha vida tá bem hoje, não tenho o que reclamar, mas poderia não ter passado pelo que passei", afirma.

CINTURÃO

Na preparação para a luta, que pode colocá-lo mais próximo a se colocar como desafiante ao cinturão em caso de uma vitória, Poatan passa um semblante de tranquilidade. Com experiência no kickboxing, já participou de grandes eventos desse esporte. "Já estive em grandes lutas, como o 'Glory', maior evento de kickboxing do mundo, então estou acostumado a lidar com essa pressão", relata.

Em duas dessas lutas, derrotou Adesanya, atual campeão da divisão dos pesos-médios - uma por decisão, outra por nocaute. Um encontro entre os dois é inevitável. Uma vitória sobre Strickland pode colocá-lo próximo da disputa do cinturão, mesmo tendo disputado apenas duas lutas no UFC, mas o brasileiro garante que somente esse "pequeno currículo" não é o que irá credenciá-lo a essa conquista. "O que fiz fora do MMA é muito maior do que essas duas lutas, e o UFC enxerga isso em mim".

CONFIRA O CARD COMPLETO DO UFC 276:

CARD PRELIMINAR:

  • Peso-galo: Jessica-Rose Clark x Julija Stoliarenko
  • Peso-médio: Brad Tavares x Dricus Du Plessis
  • Peso-mosca: Jessica Eye x Maycee Barber
  • Peso-médio: Uriah Hall x André "Sergipano"
  • Peso-leve: Jim Miller x Donald Cerrone
  • Peso-meio-médio: Ian Garry x Gabe Green
  • Peso-leve: Brad Riddell x Jalin Turner

CARD PRINCIPAL:

  • Peso-meio-médio: Robbie Lawler x Bryan Barberena
  • Peso-galo: Pedro Munhoz x Sean O'Malley
  • Peso-médio: Sean Strickland x Alex Poatan
  • Peso-pena: Alexander Volkanovski x Max Holloway
  • Peso-médio: Israel Adesanya x Jared Cannonier
Estadão
Publicidade
Publicidade