PUBLICIDADE

F1 2025 já começou: Ferrari sonha alto e traz Lewis Hamilton

Em movimento inesperado e ousado, Ferrari anuncia Lewis Hamilton como seu piloto a partir de 2025. Uma série de movimentações sacodem a F1

1 fev 2024 - 18h49
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
John Elkann, presidente do Conselho de Administração da Ferrari, fez o movimento mais bombástico da F1: Lewis Hamilton foi anunciado como piloto da Ferrari a partir de 2025. Ele encarará a possibilidade de ter Charles Leclerc como companheiro de equipe e a Mercedes, sem seu líder, precisará de uma nova opção de piloto.
Frederic Vasseur e Hamilton: de novo juntos em 2025, mas agora na Ferrari
Frederic Vasseur e Hamilton: de novo juntos em 2025, mas agora na Ferrari
Foto: X / Divulgação

2024 mal começou e o fã de F1 já foi bombardeado com uma série de notícias. O dia 1º de fevereiro de 2024 já faz parte da história da categoria. Afinal de contas, foi nele que foi feito o movimento mais bombástico da F1: Lewis Hamilton foi anunciado como piloto da Ferrari a partir de 2025.

Este era um sonho antigo dos italianos. Volta e meia esta situação se levantava, mas não se confirmava. Afinal de contas, Hamilton sempre foi ligado à Mercedes e criou raízes, praticamente misturando sua trajetória com a marca alemã. Nao à toa que diversas iniciativas de inclusão que o piloto conduz tem forte apoio da Mercedes.

Não que estes movimento não toivessem se repetido. Afinal de contas., parece que foi outro dia que tivemos a confirmação da extensão do contrato de Hamilton com a Mercedes por mais alguns anos. E a promessa de que várias modificações estavam sendo feitas no time, como a volta de James Allison ao comando técnico, fariam que o casamento que começou em 2013 durasse mais.

Só que, mesmo para os atletas de alto nível, a emoção acaba entrando em ação.

Em outras oportunidades, Hamilton não escondeu que gostaria de ir para a Ferrari. Afinal de contas, a equipe italiana é a mais emblemática da F1 e tem uma torcida extremamente apaixonada. E se vencer de Ferrari, seria algo transcendental até mesmo para um piloto da envergadura de Lewis Hamilton.

Vasseur e Elkann: os vencedores

Esta transferência foi tratada diretamente por John Elkann, Presidente do Conselho de Administração da Ferrari e, mesmo assim, é o homem forte da marca (representa a família Agnelli, que tem 23% das ações da Ferrari e tem direito de indicar Presidente e mais alguns cargos de Diretoria). Bem como é um trunfo de Frederic Vasseur.

O chefe de equipe da Ferrari conhecem bem Hamilton. Sob sua batuta na ART, o britânico venceu os campeonatos de F3 Europeia e da GP2. Mesmo quando foi para a F1, os dois mantiveram sempre uma otima relação e assim se mantiveram. 

Vasseur vem prometendo uma grande reestruturação do time técnico da Ferrari. Além do rearranjo de peças, o francês promete trazer este ano vários membros da Red Bull e da Mercedes para o time. Este tenha sido um dos chamarizes para trazer Hamilton. Afinal de contas, nos últimos anos, a Mercedes tem sofrido uma série de baixas e simplesmente não se acertou ainda dentro do novo regulamento. É uma vitória dele esta vinda.

Encarando as possibilidades

Agora, é ver como será o relacionamento Leclerc e Hamilton. Até aqui, ambos tem tido uma boa convivência e até postaram fotos juntos no ano passado. Porém, é uma aposta da Ferrari em ter dois "galos de briga" dentro do mesmo terreiro. Leclerc acabou de ter seu contrato renovado até 2029 e se dizia que ele seria a aposta da Ferrari para o futuro. Mas com Hamilton chegando, como isso fica?

Encarando o copo meio cheio, a companhia de Hamilton pode forçar Leclerc a encontrar o ponto certo para dar o salto de qualidade e se posicionar efetivamente como um dos grandes da F1. Seu talento é inegável, mas em vários momentos, ainda mostra que falta um controle para que chegue ao limite. Além de fazer a Ferrari progredir mais rápido.

Sobre a Mercedes, a equipe neste momento se mostra com um flanco aberto. A esperança é que o W15 entregue o desempenho esperado. Mas hoje Toto Wolff não tem ninguém para preencher a vaga. Russell é o futuro que tenta ser trabalhado, mas que até aqui ainda precisa ser talhado. Vai ter que mostrar muito desempenho este ano para mostrar que pode ser o lider que a Mercedes precisa.

Mas quem seria o companheiro? A Mercedes hoje teria Mick Schumacher como reserva imediato. Pensando em futuro, tem o promissor Kimi Antonelli, mas que estaria cotado para entrar na categoria em 2025 pela Williams. Restaria a Toto Wolff pescar em outros oceanos: Esteban Ocon seria uma opção, já que foi um piloto da marca. Alex Albon tem andado mais do que o carro na Williams e poderia sim merecer uma chance.

O fato é que Wolff precisa dar uma resposta a altura. Ele é um dos donos da equipe, mas a Daimler (dona da Mercedes) e Jim Ratcliffe, o todo poderoso da INEOS vão querer uma ação e Wolff sabe que pode estar com a cabeça a prêmio...

Outro lugar a ser observador seria a McLaren: Norris teve seu contrato recém-estendido e não é de hoje que está no radar. Mas teria que se negociar um rompimento e ainda sua fala dias atrás de que não iria para a Red Bull para não bater de frente com Verstappen acabou por soar como um atestado de sangue de barata. Oscar Piastri é outro nome forte e já mostrou que não teria receio de fazer um movimento que fosse a seu favor.

Muito se falou nas redes no nome de Fernando Alonso. O espanhol vem entregando e não hesitaria em ir para a Mercedes caso a Aston Martin não mostre uma evolução mais consistente. Para efeito de ritmo, Alonso vem surpreendendo e quer ainda ser campeão. Não se pode descartar.

Um nome que fica sobrando na área é o de Carlos Sainz. O espanhol vinha negociando uma renovação, mas o que se diz é que não havia acordo sobre o prazo. Nesta quinta, Sainz anunciou sua saída da Ferrari e que logo anunciará seu futuro. A especulação mais forte é que iria para a Sauber e faria parte do projeto da Audi. Mas não poderia ser descartado para a propria Mercedes ou até mesmo Red Bull em um movimento de substituição a Sergio Perez. É um bom nome que não pode ser descartado.

O casamento imaginado mas que nunca aconteceria. Aconteceria?

Em todo caso, é um casamento muito especulado mas que nunca se julgou que aconteceria realmente. Sempre se teve a impressão de que, mesmo ambos querendo, é como misturar água e azeite. Hamilton sai do seu ambiente de conforto e vai para uma entidade mítica. A Ferrari vai ter que se adequar ao modo Hamilton de ser, o que pode até ir contra uma parte empedernida da torcida.

Ambos vão querer fazer dar certo. É um movimento tão impressionante que faz até esquecer a mal-fadada negativa da Liberty Media à entrada da Andretti na F1. Talvez só se possa fazer um paralelo quando Juan Manuel Fangio foi pilotar para o time em 1956. A aposta que se faz é alta e todos os olhos estarão voltados para ver como será esta temporada....

Não seria a primeira vez que isso aconteceu. Recentemente, Juan Pablo Montoya fez a temporada de 2004 inteira pela Williams já fechado com a McLaren em 2005 e Fernando Alonso correu 2006 já sabendo que iria para a mesma McLaren em 2007.

A história foi escrita com tintas fortes hoje. A ver como será o desenrolar desta história. É algo grande e que pode ser maior ainda. A F1 agradece.

Parabólica
Compartilhar
Publicidade
Publicidade