PUBLICIDADE

Klaus Schwab deixará presidência do Fórum Econômico Mundial após 53 anos

Aos 86 anos, fundador de conferência que se transformou no principal palco da elite empresarial e financeira do mundo irá assumir a presidência do Conselho de Administração do fórum

21 mai 2024 - 21h09
Compartilhar
Exibir comentários

NOVA YORK - Aos 86 anos, Klaus Schwab, presidente executivo do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês), vai deixar a liderança do encontro que ajudou a fundar, em 1971. De lá para cá, a conferência se transformou no principal palco da elite empresarial e financeira do mundo, que reuniu mais de 2.800 lideranças, entre banqueiros, CEOs, presidentes de bancos centrais e políticos, em janeiro deste ano.

Schwab deve passar o bastão até janeiro de 2025, antes do próximo WEF, e assumir a presidência do Conselho de Administração do Fórum. Comunicada por meio de um e-mail aos funcionários da organização, sua saída foi antecipada pelo Semafor e confirmada pelo Estadão/Broadcast.

Em seu lugar, deve assumir o presidente do conselho executivo do WEF e ex-ministro da Noruega, Borge Brende, conforme a imprensa internacional. O WEF não confirmou o nome do substituto de Schwab, que deve ser aprovado pelo governo suíço e anunciado antes do próximo Fórum em Davos.

O Fórum Econômico Mundial diz, em nota, que desde 2015 tem se transformado em uma instituição de cooperação público-privada. "Como parte dessa transformação, a organização também tem evoluído em governança, passando de uma organização gerida pelo fundador para uma organização onde um Presidente e um Conselho de Administração assumem total responsabilidade executiva", afirma.

Em viagem ao Brasil, no ano passado, Schwab ressaltou, em entrevista ao Estadão/Broadcast, as vantagens do Brasil para se tornar uma "ecopower" (potência ecológica). Alertou, contudo, para os tradicionais problemas da economia doméstica como juros e inflação elevados, fiscal frágil, fora a necessidade de alavancar o baixo nível de investimento no País, sobretudo, com a participação do setor privado.

"O Brasil tem seus próprios problemas na economia, como inflação relativamente alta, juros altos e um baixo nível de investimento em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), abaixo de 20%. Isso quer dizer que o Brasil precisa investir mais. Outro ponto é que o Brasil tem uma dívida de 75% do PIB, um nível alto, mas há muitos países com nível ainda mais elevado", disse, na ocasião.

Desde que foi fundado, o WEF se transformou em um negócio rentável, com receitas anuais de € 500 milhões, segundo o Financial Times. Sob o comando de Schwab, o Fórum Econômico Mundial passou de uma conferência para empresários europeus para o mais importante encontro da nata empresarial e financeira do planeta e todo mês de janeiro concentra as atenções na pequena e gelada cidade de Davos.

Na edição deste ano, o fórum marcou a estreia do presidente da Argentina, Javier Milei. Do Brasil, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, e também o ex-presidente Jair Bolsonaro, em 2019, participaram do encontro nos Alpes Suíços. Banqueiros centrais também são presenças frequentes, como a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, e o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto.

Wall Street e a Faria Lima comparecem em peso a Davos. Neste ano, o presidente do JPMorgan, Jamie Damon, chamou a atenção ao se sentar em uma cadeira no corredor principal do lounge do fórum. Mesmo de tênis e calça jeans, foi reconhecido e interrompido todo o tempo pelos passantes. Banqueiros brasileiros como Luiz Carlos Trabuco Cappi (Bradesco), Milton Maluhy (Itaú Unibanco), André Esteves e Roberto Sallouti (BTG Pactual) também são figuras frequentes nos Alpes Suíços.

O WEF anunciou ainda que o seu Conselho de Administração será organizado em torno de quatro comitês estratégicos para reforçar o trabalho da organização. "Estas mudanças sublinham a nossa continuidade institucional no fornecimento de uma plataforma independente e imparcial para enfrentar os desafios complexos de um mundo interligado", conclui, em nota.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade