PUBLICIDADE

'Bridgerton': Quem é Michaela Stirling? Série troca gênero de personagem, cria casal lésbico e divide fãs

A produção da Netflix dividiu fãs ao trocar personagem masculino por feminino e afetar diretamente o rumo das próximas temporadas

13 jun 2024 - 14h41
(atualizado às 14h57)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Divulgação/Netflix / Pipoca Moderna

O final da 3ª temporada de "Bridgerton" estreou na madrugada desta quinta-feira (13) na Netflix, e após um mês de espera, os fãs foram surpreendidos com novos desdobramentos da série de época.

Paralelamente ao romance entre Colin Bridgerton (Luke Newton) e Penelope Featherington (Nicola Coughlan), surgiu em cena um casal existente no 6º livro de Julia Quinn, mas não da forma descrita nas páginas literárias.

ATENÇÃO! CUIDADO COM SPOILERS!

A história de Francesca Bridgerton (Hannah Dodd) atraiu a curiosidade do público por ela despertar o interesse de dois pretendentes. Tudo indicava que ela estava encantada pelo Lorde John Stirling (Victor Alli), pelo menos até a chegada de Michaela Stirling (Masali Baduza), uma prima do rapaz.

Troca de gênero

'Bridgerton': cena da 3ª temporada mostra Victor Alli como John Stirling e Hannah Dodd como Francesca Bridgerton
'Bridgerton': cena da 3ª temporada mostra Victor Alli como John Stirling e Hannah Dodd como Francesca Bridgerton
Foto: Liam Daniel/Netflix

A inclusão da "nova personagem" espantou os fãs ferrenhos dos livros escritos por Julia Quinn, que notaram uma mudança de gênero. Na saga literária, é Michael Stirling, o primo de John, quem se envolve amorosamente com Francesca, após virar Lorde com a morte prematura do parente.

Para a série, Michael virou Michaela e, caso a história siga os livros, ela viverá um romance lésbico com Francesca, detalhe inexiste na trama original. Esta, claro, não será a primeira mudança feita pelos produtores, que trocaram a etnia de vários personagens, brancos nos livros.

Vai ter casal lésbico?

Em entrevista à revista Glamour, a showrunner Jess Brownell defendeu a nova mudança, afirmando que o título "O Conde Enfeitiçado", de Julia Quinn, deixava um "terreno fértil tematicamente para contar uma história queer".

"Existem também alguns elementos de sua história que nos permitem ter certeza de que podemos contar um final muito feliz para Francesca e Michaela. Foi importante para mim, ao contar uma história queer, que pudéssemos dar-lhes um feliz para sempre, como fizemos com todos os outros casais", justificou ela.

Reação dos fãs

A mudança de gênero e a expectativa de um casal lésbico abalaram as estruturas dos fãs mais emocionados, que se dividiram nas redes sociais: "Não mudem os casais dos livros, podem fazer qualquer mudança, mas não toquem nos casais", reclamou um perfil do X (antigo Twitter).

"Imagina escolher logo o único homem que ficou anos apaixonado pela mulher, […] o primeiro casal que o homem se apaixona primeiro e decidiram mudar pra uma mulher, pra quê?", questionou outro usuário, que foi apoiado pelos seguidores.

Por outro lado, a representatividade agradou alguns espectadores que não economizaram elogios à nova temporada.

"Essa cena mudou o rumo da minha vida. O bi panic de Francesca Bridgerton transparecendo no olhar e em toda sua linguagem corporal; o jeito sarcástico e confiante de Michaela Stirling; a narração da Lady Whistledown casando perfeitamente com o momento. THIS IS CINEMA", declarou mais um.

"Simplesmente amei a mudança de Michael pra Michaela, e se irritou o fandom homofóbico de 'Bridgerton' é porque a Shonda acertou em cheio, nada nessa série é uma representação fiel do século 19 e é adaptação dos livros", completou outro perfil.

Confira as principais reações.

Bridgerton e mais filmes e séries com romances de época para maratonar Bridgerton e mais filmes e séries com romances de época para maratonar

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade