PUBLICIDADE

Mulher recebe cobrança enquanto socorre vítimas em Porto Alegre

Agência da Caixa Econômica Federal cobrou cliente com empréstimo atrasado três dias após a suspensão de pagamentos

10 mai 2024 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
Ana Cristina Medeiros de Lima recebeu cobrança para regularizar dívida de empréstimo consignado em meio à catástrofe natural que afetou o Rio Grande do Sul. Cliente é ativista social e no momento do contato feito pelo banco estava tentando conseguir água e comida para catadoras de materiais recicláveis e suas famílias, vitimas da enchente.
Cristina Medeiros no barracão de reciclagem onde trabalha com mulheres catadoras do Bom Jesus, zona leste, região periférica de Porto Alegre
Cristina Medeiros no barracão de reciclagem onde trabalha com mulheres catadoras do Bom Jesus, zona leste, região periférica de Porto Alegre
Foto: Arquivo pessoal

Periferia de Porto Alegre, 6 de maio, começo da semana da maior catástrofe natural do Rio Grande do Sul: passa de três da tarde quando Ana Cristina Medeiros de Lima, em meio ao atendimento às vítimas da enchente, recebe, debaixo de chuva, mensagem da Caixa Econômica Federal solicitando “regularização das parcelas do seu financiamento”.

“Foi um dia muito caótico, a chuva não parava, as pessoas estavam sendo resgatadas aos montes. A gente estava tendo a dimensão da catástrofe naquele momento, indo atrás de comida para as mulheres que trabalham com reciclagem e suas famílias. A gente estava sem água, nem luz”, lembra a cliente.

Cobrança estava suspensa

Ela tem empréstimo consignado em atraso e uma funcionária da agência Partenon fazia contato. Três dias antes, o banco havia decidido pela “paralisação do pagamento de prestações de diversas modalidades de empréstimo”, informa a assessoria de imprensa da Caixa Econômica Federal.

“A gente estava fazendo contatos desesperadamente atrás de parceiros para garantir comida, doação de água, e aí eu recebo a mensagem de WhatsApp. O mundo caindo e o banco preocupado com grana”, diz.

Fachada da agência Partenon, com 540 metros quadrados e localizada na avenida Bento Gonçalves, em Porto Alegre
Fachada da agência Partenon, com 540 metros quadrados e localizada na avenida Bento Gonçalves, em Porto Alegre
Foto: DH Arquitetura

A assessoria de imprensa da Caixa Econômica Federal confirma que o número telefônico que fez contato com a cliente é da agência 0445, Partenon, para tratar de inadimplência.

Diálogo lúcido em meio ao caos

Focada no socorro às vítimas da enchente, a cliente trocou poucas mensagens. Após a funcionária do banco solicitar a regularização da dívida, Cris Medeiros, como é conhecida, perguntou: “Jura que em meio ao caos vocês querem dinheiro”? Antes de ser respondida, questiona: “A Caixa está ajudando alguma vítima dessa tragédia”?

A resposta foi “a ajuda é pessoal e voluntária”. A cliente, então, desabafou escrevendo que “o banco ganha um monte de dinheiro, mas sempre é o pobre ajudando pobre”. E voltou a socorrer as vítimas.

Cliente é ativista social

Ana Cristina Medeiros de Lima, 53 anos, é moradora do Bom Jesus, uma das maiores comunidades de Porto Alegre, localizada em um morro da zona leste. Ativista social e produtora cultural, foi conselheira tutelar por 15 anos.

Barracão de reciclagem do Centro de Triagem da Vila Pinto, uma das três iniciativas do Centro de Educação Ambiental (CEA) em Porto Alegre
Barracão de reciclagem do Centro de Triagem da Vila Pinto, uma das três iniciativas do Centro de Educação Ambiental (CEA) em Porto Alegre
Foto: CEA

Atualmente, é diretora do Centro de Educação Ambiental (CEA), organização não-governamental fundada há 28 anos pela mãe de Cris Medeiros. O CEA atua em três frentes, atendendo sobretudo mulheres e crianças. Nesta semana, foi habilitado para o prêmio Cidadania na Periferia, do Ministério dos Direitos Humanos.

Somente do berçário aos cinco anos de idade, são 120 crianças atendidas no CEA. Um dos braços é a reciclagem, que congrega mulheres no Centro de Triagem da Vila Pinto. Elas estavam sendo socorridas quando Cris Medeiros recebeu a cobrança da Caixa Econômica Federal.

Fonte: Visão do Corre
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade