PUBLICIDADE

Trabalhar até tarde pode levar a depressão e outras doenças

Estudo mostra que trabalhar em horários irregulares prejudica a saúde décadas depois

18 abr 2024 - 14h04
Compartilhar
Exibir comentários
A pesquisa avaliou os horários de trabalho e os padrões de sono de mais de 7.000 pessoas em três décadas
A pesquisa avaliou os horários de trabalho e os padrões de sono de mais de 7.000 pessoas em três décadas
Foto: iStock / Jairo Bouer

Um estudo mostra que trabalhar à noite e em horários irregulares durante o início da idade adulta pode deixar as pessoas vulneráveis à depressão e a outros problemas de saúde a partir dos 50 anos.

Para chegar à conclusão, a pesquisa avaliou os horários de trabalho e os padrões de sono de mais de 7.000 norte-americanos entrevistados ao longo de três décadas, com idades entre 22 e 50 anos.

Trabalho em horário irregular é comum

Para surpresa da autora do estudo, Wen-Jui Han, professora da Universidade de Nova York, nos EUA, apenas um quarto dos participantes trabalhava exclusivamente no horário diurno tradicional. O restante - três quartos da amostra de trabalhadores americanos nascidos na década de 1960 - trabalhava em horários variáveis.

Aqueles com horários de trabalho mais irregulares, incluindo horários noturnos e turnos rotativos, relataram menos sono e maior tendência a problemas de saúde e depressão aos 50 anos do que aqueles com horários e horários diurnos mais estáveis.

De acordo com Han, para muita gente, o trabalho é uma fonte de problemas de saúde. Em entrevista ao site NPR, ela diz esperar que sua pesquisa - publicada na semana passada na PLOS One - estimule conversas sobre maneiras de "fornecer recursos para apoiar as pessoas a terem uma vida feliz e saudável quando estão fisicamente exaustas e emocionalmente esgotadas por causa de seu trabalho".

Cultura do trabalho excessivo

A própria pesquisadora passou pela situação que descreve. Aos 40 anos, ela trabalhava 16 horas por dia, tirando folga apenas para comer e dormir, embora não dormisse o suficiente. Seu médico a alertou que sua condição física parecia mais com a de uma mulher na casa dos 60 anos.

Ela estava trabalhando demais, como muitos jovens profissionais fazem hoje em dia:

Podemos dizer que eles querem trabalhar voluntariamente muitas horas, mas, na realidade, não se trata de trabalhar voluntariamente muitas horas. (...) Eles sentem que a cultura do seu trabalho exige que trabalhem muitas horas, ou podem ser penalizados".

Ela diz que os participantes de seu estudo que sacrificaram o sono para ganhar a vida sofreram de depressão e problemas de saúde, disse ela. "Quando nosso trabalho se torna um fator de estresse diário, esse é o tipo de consequência para a saúde que você pode esperar ver daqui a 30 anos".

Desigualdade social

Veja alguns pontos importantes observados no estudo:

- Homens e mulheres negros, bem como trabalhadores com escolaridade limitada, arcaram desproporcionalmente com o fardo dos turnos noturnos, dos horários de trabalho voláteis e da privação de sono, segundo o estudo.

- Mulheres brancas com formação universitária e trabalho diurno estável relataram uma média de seis horas a mais de sono por semana do que os homens negros que não concluíram o ensino médio e que trabalharam horas variáveis durante a maior parte de suas vidas.

- Mulheres negras que não concluíram o ensino secundário e que mudaram do horário diurno regular para um emprego volátil aos 30 anos tinham quatro vezes mais probabilidades de relatar problemas de saúde do que os homens brancos com formação universitária e com uma vida profissional diurna estável e normal.

Privação de sono e doenças

O estudo mostra uma relação entre o trabalho noturno e os turnos rotativos com problemas de sono e problemas de saúde, mas não pode provar que um causou o outro. Apesar disso, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) associam o sono insuficiente a doenças crônicas, como diabetes, doenças cardíacas e obesidade, e afrodescendentes têm maior probabilidade de sofrer dessas doenças que os brancos.

A necessidade de horas de sono varia de acordo com a idade e outros fatores, mas sociedades médicas recomendam que adultos entre 18 e 60 anos de idade durmam pelo menos sete horas por noite.

Jairo Bouer
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade