PUBLICIDADE

Com Isis Valverde na plateia, Dior celebra anos 60 em Paris

29 set 2021 09h33
ver comentários
Publicidade

Com silhuetas retas e curtas, feitas a partir do quadrado, Maria Grazia Chiuri, a diretora criativa da Dior, fez uma homenagem a Marc Bohan, que comandou a grife por quase 30 anos, desde 1960, quando substituiu Yves Saint-Laurent, até 1989. Na plateia, famosas como a brasileira Isis Valverde, que transmitiu o desfile ao vivo pelo Stories do Instagram.

Isis Valverde no desfile da Dior
Isis Valverde no desfile da Dior
Foto: Laurine Bonnet/Divulgação / Elas no Tapete Vermelho

A atriz vestiu shorts e bota acima dos joelhos pretos, camisa branca com um top vermelho de couro em formato de coração, da própria marca.

Mais tarde, Isis participou de um jantar da grife com look branco, com direito a tênis, meia soquete, saia plissada e body branco regata, com jaqueta esportiva.

A coleção

A inspiração no ex-diretor criativo da Dior teve como destaque a coleção de 1961, chamada Slim Look, em que Bohan se inspirou no anos 1920 para tirar os excessos de tecidos e exageros da moda. A silhueta reta também foi marcante nos anos 1960.

Desfile Dior verão 2022 (Fotos: Laurine Bonnet/Divulgação)
Desfile Dior verão 2022 (Fotos: Laurine Bonnet/Divulgação)
Foto: Elas no Tapete Vermelho

Na época, a linha foi descrita descrita pela imprensa de moda da seguinte forma: "Muda completamente a moda, assim como o New Look em 1947″. O New Look foi lançado pelo próprio Christian Dior no pós-guerra, trazendo silhuetas amplas nas saias e dorsos ajustados, imagem que marcou os anos 1950.

Desfile Dior verão 2022 (Fotos: Laurine Bonnet/Divulgação)
Desfile Dior verão 2022 (Fotos: Laurine Bonnet/Divulgação)
Foto: Elas no Tapete Vermelho

Maria Grazia Chiuri associou essa estética diferenciada de Bohan a uma mudança necessária a um mundo ainda em recuperação da pandemia. Para isso, acrescentou cores e formas geométricas inspiradas na obra da artista plástica italiana Anna Paparatti para questionar as regras da arte e da vida, por meios de seus jogos diferenciados, como o obra Il Gioco del Nonsense (1964), que serviu de cenário à apresentação.

Desfile Dior verão 2022 (Fotos: Laurine Bonnet/Divulgação)
Desfile Dior verão 2022 (Fotos: Laurine Bonnet/Divulgação)
Foto: Elas no Tapete Vermelho

Assim, além do preto e do branco, cortes e efeitos gráficos em jaquetas em corte quadrado, casacos, saias, bermudas, shorts e vestidos apareciam em amarelo, verde, vermelho, marinho, laranja e framboesa. Aliás, a monocromia em cores vivas é uma das principais tendências fashion do pós-pandemia. Não à toa, a coleção é para o verão 2022 do Hemisfério Norte, que começa em meados do ano que vem, mas que já antecipa o que devemos ver por aqui na nossa estação quente.

Desfile Dior verão 2022 (Fotos: Laurine Bonnet/Divulgação)
Desfile Dior verão 2022 (Fotos: Laurine Bonnet/Divulgação)
Foto: Elas no Tapete Vermelho

O legal é que as peças são intercambiáveis e confortáveis, praticidade também necessária nos tempos atuais. Não faltaram ainda bordados em 3D e materiais como jérsei e náilon, que conferem volumes, outra trend que veio para ficar.

Desfile Dior verão 2022 (Fotos: Laurine Bonnet/Divulgação)
Desfile Dior verão 2022 (Fotos: Laurine Bonnet/Divulgação)
Foto: Elas no Tapete Vermelho

.

Elas no Tapete Vermelho
Publicidade
Publicidade