PUBLICIDADE

Pedro Scooby adota cachorro no RS e volta para o RJ após ajudar em resgates

Surfista relatou que contato com água contaminada das enchentes causou problemas de saúde

11 mai 2024 - 14h59
(atualizado às 15h45)
Compartilhar
Exibir comentários
Pedro Scooby adota cachorro no RS e volta para o RJ após ajudar em resgates: 'Vai virar playboy':

O surfista Pedro Scooby adotou um cachorro resgatado por ele e por amigos das enchentes do Rio Grande do Sul. Neste sábado, 11, ele voltou para o Rio de Janeiro, onde mora, com o novo pet, após passar quase uma semana auxiliando nos resgates de pessoas no Sul do País.

Scooby disse nas redes sociais que, caso o tutor do animal apareça, ele irá voltar para devolver o animal. “To indo lá buscar ele e ele vai comigo para o Rio de Janeiro. Se acabar encontrando o dono vai ter que provar que é o dono, e eu trago ele de volta. To amarradão, porque eu tive uma conexão com ele. E ele vai se chamar Eldorado", disse. O nome é uma homenagem à cidade de Eldorado do Sul, uma das mais afetadas pela tragédia.

O surfista Pedro Scooby adotou um cachorro resgatado por ele e por amigos das enchentes do Rio Grande do Sul
O surfista Pedro Scooby adotou um cachorro resgatado por ele e por amigos das enchentes do Rio Grande do Sul
Foto: Reprodução/Instagram

O cachorro ficou no colo do surfista durante o resgate e, depois da triagem, não foi mais encontrado. O animal foi encontrado novamente por Scooby em um abrigo.

Um grupo de surfistas foi do Rio de Janeiro para o Rio Grande do Sul para ajudar nos resgates de moradores afetados pelas enchentes. Eles usaram as próprias motos aquáticas para salvar moradores, crianças e animais.

Pedro Scooby afirmou que estava voltando para o RJ, mas prometeu voltar se necessário. Nesta semana, ele relatou que sofreu problemas de saúde causados pelo contato com a água contaminada das enchentes.

Saiba como ajudar as vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul Saiba como ajudar as vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul

“Para quem não sabe, a água que a gente entra tem bicho morto, passou gente morta, tem milhões de bactérias, meu pé está cheio de pereba por sinal”, afirmou.

Ele também disse que presenciou cenas fortes durante os resgates. “Nunca vou conseguir explicar em palavras o que eu vi aqui. Parecia o fim do mundo. Mas não é o fim do mundo. É um recomeço, as pessoas vão sair mais fortes”, completou.

Cão pitbull é resgatado após ficar seis dias ilhado em telhado no Rio Grande do Sul:
Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade