4 eventos ao vivo

Saiba quais são as startups brasileiras candidatas a 'unicórnio' em 2021

Com cenário favorável, ecossistema nacional se prepara para uma nova leva de empresas que valem US$ 1 bilhão

17 fev 2021
13h01
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Nos últimos anos, o mercado brasileiro se acostumou a ouvir a palavra "unicórnio": desde 2018, 14 startups brasileiras atingiram a avaliação de US$ 1 bilhão, garantindo o status de "criaturas raras e mágicas". Todo começo de ano, há especulações sobre quais serão os nomes a conquistarem esse título. Para a turma de 2021, a expectativa é ainda maior: depois da rápida transformação digital vivida no ano passado, muitos olhos estão voltados às companhias que carregam tecnologia e inovação no DNA.

A empresa de inovação Distrito revelou com exclusividade ao Estadão quais são suas apostas para este ano. No relatório de 89 páginas, a Distrito considera os seguintes fatores: estimativa do valor de mercado, número e valores das rodadas de investimento, presença nos aportes de fundos que já formaram outros unicórnios, aquisição de outras startups, número de funcionários e de vagas abertas, atuação internacional e experiência dos fundadores e do time executivo.

Assim, foram listadas 17 candidatas ao posto de unicórnio: ContaAzul, Dr. Consulta, Neon, Minuto Seguros, PetLove, CargoX, Contabilizei, Pipefy, Olist, Solinftec, Superlógica, Tembici, Fazenda Futuro, Zenvia, Buser, Take Blip e Cortex. É provável que nem todas virem unicórnio em 2021, afinal o grupo é amplo, mas a lista serve como norte. Na edição de 2020, o documento trouxe os três unicórnios do ano (Loft, Vtex e Creditas).

Segundo especialistas ouvidos pelo Estadão, é possível que 2021 tenha o maior número anual de novos unicórnios já registrado no Brasil, ultrapassando 2018 e 2019, quando cinco startups em cada ano atingiram o valor de US$ 1 bilhão. "Desde o ano passado temos visto um movimento positivo em relação ao crescimento de aportes. O funil de startups próximas de se tornarem unicórnio está maior", afirma Daniel Grossi, sócio-diretor da empresa de inovação Liga Ventures.

O primeiro unicórnio de 2021 já é conhecido: a empresa MadeiraMadeira, especializada em venda online de material de construção e de móveis, atingiu o status em janeiro depois de receber um investimento de US$ 190 milhões. Já é um sinal claro dos reflexos da pandemia, já que o comércio eletrônico foi impulsionado durante o período. Isso significa que mais nomes do segmento devem aparecer. É o caso da Olist, que ajuda lojas físicas a terem uma presença online, colocando seus produtos à venda em sites como MercadoLivre, Amazon e Submarino pelo sistema de marketplace. "Crescemos três dígitos em termos de receita e volumes transacionados no ano passado. Projetamos um ano ainda melhor em 2021", diz ao Estadão Tiago Dalvi, presidente executivo da startup.

Com o crescimento de vendas online, quem também ganha força são as fintechs. Repetindo um padrão que vimos nos últimos anos, esse é o setor com mais aspirantes a unicórnio na lista da Distrito - são quatro. É daí que vem um dos maiores candidatos a unicórnio do ano: a Neon, que no ano passado recebeu um cheque de US$ 300 milhões, e tem o maior valor de recursos captados entre os nomes do estudo: são US$ 426 milhões até aqui.

"Os clientes anteciparam a transformação digital em três anos. Crescemos três vezes o ano passado e esperamos crescer três vezes neste ano", diz ao Estadão Pedro Conrade, fundador da Neon. A empresa tem 600 vagas abertas para serem preenchidas já no primeiro semestre.

Porém, vista como um todo, a lista traz surpresas em relação a anos anteriores. A principal delas talvez seja a diversificação de setores. "Há representantes de setores bem brasileiros, como logística, varejo, serviços para as classes C e D e serviços para pequenas e médias empresas. É interessante ver como essas startups estão absorvendo e resolvendo problemas estruturais do Brasil", diz Gustavo Gierun, cofundador da Distrito.

Exemplo disso é a candidata CargoX, conhecida como "Uber dos caminhões". A startup paulistana, fundada pelo argentino Federico Vega, conecta cargas a transportadoras e caminhoneiros, monitorando todo o trajeto com geolocalização - investem na CargoX nomes como Goldman Sachs e Valor Capital. A empresa já tem 400 funcionários e está em um ritmo de crescimento acelerado, com 100 vagas abertas. "Em 2021 continuaremos a crescer agressivamente, aumentando a escala da operação. Para isso, um dos nossos focos tem sido ajudar transportadoras com capital de giro", afirma Vega em entrevista ao Estadão.

Também da área de transporte, está cotado o nome da Buser, que conecta empresas de fretamento com passageiros em viagens intermunicipais. A empresa interrompeu sua operação durante três meses no início da pandemia, mas tem visto suas atividades voltarem aos trilhos: segundo a Buser, em dezembro seu volume de passageiros foi o dobro em relação ao mesmo mês de 2019. A cabeça de unicórnio, com planos ambiciosos, a startup já tem: "Os próximos passos pensando na chegada da vacina são expandir nosso serviço para mais cidades e regiões e também começar em 2021 nosso piloto para transporte municipal", afirma Marcelo Coelho, cofundador da Buser, ao Estadão.

E nada mais brasileiro que o agronegócio. A representante do setor na lista é a Solinftec, que recebeu um aporte de US$ 40 milhões no começo do ano passado, liderado pela empresa de investimento Unbox Capital, cujos principais investidores são a família Trajano, dona do Magazine Luiza. Fundada em Araçatuba, no interior de São Paulo, a empresa oferece uma espécie de "Windows das fazendas": seu sistema une hardware e software para monitorar fazendas em tempo real e entregar informações dos processos agrícolas para fazendeiros. Seria o primeiro unicórnio de um dos setores fundamentais da economia brasileira.

Para Gierun, outro fato que chama a atenção na possível turma de 21 é o perfil 'b2b'. "Até aqui, nossos unicórnios tinham o perfil de atender o consumidor final. Mas o Brasil tem muitas pequenas e médias empresas e os unicórnios têm boas oportunidades de ajudá-las", diz.

Blasé

Apesar do status de unicórnio servir como uma distinção dentro do ecossistema, os candidatos têm em comum a postura blasé em relação ao título. Federico Vega, da CargoX, diz que não se preocupa com esse posto: "Essa métrica de unicórnio pode ser ruim algumas vezes, invertendo o valor da empresa, focando o objetivo só no dinheiro. Com o trabalho bem feito, e clientes e investidores felizes, como consequência você pode virar um decacórnio", diz ele, em referência às empresas avaliadas em US$ 10 bilhões.

Marcelo Coelho, cofundador da Buser, vai na mesma linha: "Nós não olhamos muito para valuation. Vemos que as pessoas acreditam que seremos grandes porque resolvemos um problema grande: o sistema de transporte rodoviário está há 60 anos do mesmo jeito, na mão de poucas famílias, sem resolver as dores da população", afirma.

Já Pedro Conrade, da Neon, reconhece que existe uma maratona por valuation: "Não queremos participar disso. Nossa corrida é uma maratona e não um tiro de 100 metros", diz. "Provavelmente só vamos revelar nosso valor de mercado em um IPO, o que ainda tem chão para que aconteça".

Dalvi, da Olist, também pensa parecido: "Precisa ter cuidado para não se deixar levar pelo ego. Estamos aqui para uma maratona longa e temos muito trabalho pela frente. O status de unicórnio é só consequência daquilo que fazemos", diz.

Faltam braços

Para uma startup virar unicórnio, é preciso manter um ritmo acelerado de crescimento - e não dá para crescer sem ter uma equipe trabalhando a todo vapor. É por isso que a falta de mão de obra pesa para que as candidatas não realizem o seu potencial pleno.

"Preencher as vagas é o maior desafio. Temos muitas posições estratégicas abertas", diz Dalvi. Ele diz que a Olist quer preencher 400 vagas durante o ano - a meta é fechar 2021 com um quadro de 900 pessoas.

"Os modelos dessas startups são sólidos, elas têm capital e o cenário para 2021 é favorável. Mas a falta de mão de obra qualificada para o ramo de tecnologia pode pesar", afirma Gierun. "Importar mão de obra e treinar funcionários para assumirem cargos mais altos não é o suficiente. Esse é um problema estrutural e precisamos ter políticas para o desenvolvimento desse segmento no Brasil - tanto de formação de base quanto de desenvolvimento de profissionais. Só a educação resolve", diz.

A capacitação do ecossistema é também fundamental para que os nossos próximos unicórnios ocupem uma posição global de destaque. "As startups cotadas para unicórnio hoje são inovadoras mais do ponto de vista do serviço, por resolverem a dor do cliente. O mercado precisa evoluir em grau de sofisticação de engenharia e inteligência artificial para que tenhamos de fato tecnologias originais brasileiras", afirma Gilberto Sarfati, professor da FGV.

Abaixo, conheça as startups candidatas a unicórnio:

Conta Azul

Fundação: 2012

Sede: Joinville (SC)

Segmento: Fintech

Funcionários: 413

Funding: US$ 37 milhões

Dr. Consulta

Fundação: 2011

Sede: São Paulo (SP)

Segmento: Healthtech

Funcionários: 665

Funding: US$ 183,5 milhões

Neon

Fundação: 2014

Sede: São Paulo (SP)

Segmento: Fintech

Funcionários: 862

Funding: US$ 426 milhões

Minuto Seguros

Fundação: 2011

Sede: São Paulo (SP)

Segmento: Insurtech

Funcionários: 272

Funding: US$ 60 milhões

PetLove

Fundação: 1999

Sede: São Paulo (SP)

Segmento: Pet

Funcionários: 352

Funding: US$ 75,8 milhões

CargoX

Fundação: 2013

Sede: São Paulo (SP)

Segmento: Logtech

Funcionários: 400

Funding: US$ 257,8 milhões

Contabilizei

Fundação: 2013

Sede: Curitiba (PR)

Segmento: Fintech

Funcionários: 505

Funding: US$ 20 milhões

Pipefy

Fundação: 2014

Sede: São Francisco (Califórnia - EUA)

Segmento: Martech

Funcionários: 316

Funding: US$ 63,5 milhões

Olist

Fundação: 2015

Sede: Curitiba (PR)

Segmento: Retailtech

Funcionários: 479

Funding: US$ 113,5 milhões

Solinftec

Fundação: 2007

Sede: Araçatuba (SP)

Segmento: Agtech

Funcionários: 488

Funding: US$ 60 milhões

Superlógica

Fundação: 2001

Sede: Campinas (SP)

Segmento: Fintech

Funcionários: 323

Funding: US$ 66,5 milhões

Tembici

Fundação: 2010

Sede: São Paulo (SP)

Segmento: Mobilidade

Funcionários: 700

Funding: US$ 67 milhões

Fazenda Futuro

Fundação: 2019

Sede: Rio de Janeiro (RJ)

Segmento: Foodtech

Funcionários: 106

Funding: US$ 30 milhões

Zenvia

Fundação: 2003

Sede: Porto Alegre (RS)

Segmento: Martech

Funcionários: 385

Funding: US$ 82,7 milhões

Buser

Fundação: 2017

Sede: São Paulo (SP)

Segmento: Mobilidade

Funcionários: 125

Funding: Não revelado

Take Blip

Fundação: 1999

Sede: Belo Horizonte (MG)

Segmento: Martech

Funcionários: 588

Funding: US$ 100 milhões

Cortex

Fundação: 2003

Sede: Rio de Janeiro (RJ)

Segmento: Martech

Funcionários: 161

Funding: US$ 31,3 milhões

Veja também:

Big Techs fecham acordos milionários para encerrar processos
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade