4 eventos ao vivo

'Inaceitável', diz UE sobre renegociar Brexit

Comissão Europeia mandou recado ao novo premier Boris Johnson

25 jul 2019
19h25
atualizado às 19h49
  • separator
  • 0
  • comentários

Representantes da União Europeia descartaram nesta quinta-feira (25) qualquer hipótese de renegociar os termos do acordo de saída do Reino Unido do bloco, como exige o novo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

Boris Johnson quer reabrir negociações com a UE
Boris Johnson quer reabrir negociações com a UE
Foto: EPA / Ansa - Brasil

Após o premier ter cobrado que Bruxelas modifique o tratado do Brexit, o negociador-chefe da UE, Michel Barnier, chamou a exigência de "inaceitável" e disse que o bloco deve se preparar para um rompimento "sem acordo".

Johnson já disse que o Reino Unido sairá da União Europeia em 31 de outubro e que, se não houver consenso entre Londres e Bruxelas, seu governo não pagará as 39 bilhões de libras esterlinas da conta da separação.

Além disso, o primeiro-ministro exige a retirada do "backstop", mecanismo que prevê fronteiras abertas entre a Irlanda do Norte, território britânico, e a República da Irlanda, Estado-membro da UE, caso o Reino Unido e o bloco não concluam um acordo comercial no período de transição.

"Isso é, obviamente, inaceitável", escreveu Barnier em uma mensagem enviada aos embaixadores dos 27 países remanescentes na União. Já o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, conversou por telefone com Johnson e disse que o atual acordo é o "único possível".

Estreia

O novo premier fez nesta quinta seu primeiro pronunciamento no Parlamento e indicou que uma das prioridades do governo será preparar o Reino Unido para um Brexit sem acordo.

Segundo ele, o rompimento ocorrerá em 31 de outubro, "sob quaisquer circunstâncias". Johnson também encarregou Michael Gove, espécie de coordenador do governo, de organizar os preparativos.

O primeiro-ministro fez uma reformulação quase completa em relação ao governo de sua antecessora, Theresa May, e formou um gabinete dominado por radicais pró-Brexit e mais à direita que o anterior.

Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade