PUBLICIDADE

Mundo

Justiça liberta por engano mafioso que planejava assassinar herdeira do trono holandês

Karim Bouyakhrichan é o número um da 'Máfia Mocro', considerado o criminoso mais procurado e perigoso dos Países Baixos

24 abr 2024 - 18h46
(atualizado às 18h50)
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
Karim Bouyakhrichan, o líder da Máfia Mocro, foi libertado enganosamente pela Justiça espanhola e tem seu paradeiro desconhecido. A Maffia Mocro é uma organização criminosa envolvida em diversos crimes, entre eles, o contrabando de cocaína para a Europa.
Karim Bouyakhrichan é o número um da 'Máfia Mocro', considerado o criminoso mais procurado e perigoso dos Países Baixos
Karim Bouyakhrichan é o número um da 'Máfia Mocro', considerado o criminoso mais procurado e perigoso dos Países Baixos
Foto: Reprodução/Redes Sociais

A Justiça espanhola libertou por engano o chefe de cartel multimilionário, que supostamente planejava assassinar o herdeiro do trono holandês e o primeiro-ministro Mark Rutte. Karim Bouyakhrichan é o número um da "Máfia Mocro", considerado o criminoso mais procurado e perigoso dos Países Baixos. Desde que deixou a cadeia, o paradeiro de Bouyakhrichan é desconhecido. 

Segundo o El País, ele foi liberto após uma sequência de uma aparente discrepância entre o Tribunal Provincial de Málaga, que ordenou a sua libertação menos de um mês e meio após ter sido preso por lavagem de dinheiro em Espanha, e o Supremo Tribunal espanhol, que avaliava pedido de extradição de Bouyakhrichan por parte das autoridades holandesas. 

O Tribunal Superior espanhol já emitiu um novo mandado de prisão para o alegado mafioso. A Maffia Mocro é uma  rede criminosa holandesa-marroquina com sede nos Países Baixos, considerada responsável pelo contrabando de enormes quantidades de cocaína para a Europa através dos portos holandeses de Antuérpia e Roterdã, além de outros crimes como homicídios, extorsões e raptos.

Inicialmente, Bouyakhrichan foi detido em janeiro pelo Grupo Especial de Resposta ao Crime Organizado (GRECO) da Polícia Nacional Espanhola, em Marbella. Na ocasião, 172 propriedades foram embargadas, incluindo várias mansões em Marbella avaliadas em mais de US$ 50 milhões (R$ 257 milhões), e 178 contas bancárias contendo mais de U$S 3 milhões (R$ 15 milhões) foram congeladas.  

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade