PUBLICIDADE

Multidão pede enforcamento de dono de prédio em Bangladesh

29 abr 2013 11h16
| atualizado às 11h44
ver comentários
Publicidade
Multidão cerca o local do desabamento que deixou mais de 260 mortos em Bangladesh
Multidão cerca o local do desabamento que deixou mais de 260 mortos em Bangladesh
Foto: AP

Advogados e manifestantes de Bangladesh gritaram "enforquem-no, enforquem-no" nesta segunda-feira, enquanto o proprietário do prédio que desabou na semana passada, matando cerca de 400 pessoas, era levado ao tribunal vestindo um capacete e um colete à prova de bala, disseram testemunhas.

Equipes de resgate disseram ser improvável que mais sobreviventes sejam encontrados nos escombros do prédio que desabou na quarta-feira, soterrando centenas de trabalhadores do setor têxtil que estavam no local, no pior acidente industrial do país.

Pesadas gruas estavam sendo usadas para levantar enormes blocos de concreto a partir dos destroços do Rana Plaza, onde 385 pessoas tiveram as mortes confirmadas até agora. O prédio abrigava confecções de roupas para marcas ocidentais.

Oito pessoas foram presas - quatro donos de fábricas, dois engenheiros, o proprietário do edifício, Mohammed Sohel Rana, e seu pai, Abdul Khalek. A polícia está à procura de um quinto dono de fábrica, David Mayor, que eles disseram ser um cidadão espanhol.

Rana, um líder local da juventude da Liga Awami, atualmente no poder, foi mostrado na televisão sendo levado para Daca algemado, depois de ter sido detido na cidade fronteiriça de Benapole pelo batalhão de elite da polícia, após uma caçada de quatro dias.

Ele foi preso no domingo, aparentemente tentando fugir para a Índia. "Coloquem o assassino na forca, ele não merece qualquer misericórdia ou pena mais branda", gritava um espectador do lado de fora do tribunal.

O tribunal ordenou que Rana fosse mantido por 15 dias "em prisão preventiva" para interrogatório.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade