PUBLICIDADE

Mundo

Agricultores poloneses se manifestam em Varsóvia contra políticas da UE e importações da Ucrânia

27 fev 2024 - 12h13
Compartilhar
Exibir comentários

Milhares de agricultores poloneses saíram às ruas de Varsóvia nesta terça-feira, carregando a bandeira nacional e tocando buzinas manuais, em uma ampliação de um protesto que começou no início de fevereiro contra as importações de alimentos da Ucrânia e as regras ambientais da União Europeia.

Agricultores de toda a Europa vêm protestando há semanas contra as restrições impostas a eles pelas regulamentações do "Acordo Verde" da UE, destinadas a combater as mudanças climáticas, bem como contra o aumento dos custos e o que eles dizem ser uma concorrência desleal de fora do bloco, especialmente da Ucrânia.

Os agricultores poloneses se reuniram no centro de Varsóvia antes de marcharem em direção ao Parlamento e, em seguida, ao gabinete do primeiro-ministro.

"Estamos protestando porque queremos que o 'acordo verde' seja suspenso, pois ele levará nossas fazendas à falência com seus custos... que não são comparáveis ao que colhemos e ao que nos pagam", disse Kamil Wojciechowski, de 31 anos, agricultor de Izbica Kujawska, no centro da Polônia.

"E o que recebemos pelo nosso trabalho diminuiu por causa do influxo de grãos da Ucrânia e essa é nossa segunda exigência - bloquear o influxo de grãos da Ucrânia."

Os agricultores poloneses iniciaram uma série de protestos em todo o país no início deste mês, que incluiu um bloqueio quase total de todas as passagens de fronteira com a Ucrânia, bem como interrupções nos portos e nas estradas em todo o país.

O primeiro-ministro polonês, Donald Tusk, disse durante uma visita a Praga nesta terça-feira que a UE tem que resolver os problemas criados por sua decisão de abrir suas fronteiras para as importações de produtos alimentícios ucranianos depois que a Rússia invadiu o país em 2022.

"Ninguém tem o direito de pensar que a República Tcheca e a Polônia não apoiam a Ucrânia, mas trabalharemos juntos em Bruxelas por correções que protegerão nosso mercado contra os efeitos negativos dessa decisão", disse Tusk.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade