PUBLICIDADE

Guilherme Mazieiro

Embaixada de Israel opta ‘por baixar a poeira’ em meio à crise diplomática com Brasil

Pela manhã, o embaixador comunicou que não irá à manifestação de apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro, investigado pela Polícia Federal

21 fev 2024 - 16h26
Compartilhar
Exibir comentários
O embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine
O embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine
Foto: Poder360

Com a escalada da crise diplomática desencadeada pela fala de Lula (PT) comparando os ataques à Faixa de Gaza ao Holocausto e os episódios envolvendo o embaixador brasileiro em Israel, a Embaixada de Israel optou por baixar a tensão e “esperar a poeira baixar”.

Fontes da Embaixada relataram à coluna, sob anonimato, que o objetivo é tentar voltar para os debates e discussões diplomáticas com menos tensões. Nesta quarta, 21, o jornal OGlobo noticiou que o governo brasileiro cogitava expulsar o embaixador de Israel, Daniel Zonshine.

Um passo no caminho do esfriamento das tensões se deu na manhã desta quarta, 21, com a nota da Embaixada que informou que o embaixador não irá ao ato convocado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para se defender das investigações sobre golpe de Estado, no próximo domingo, 25.

Em sequência às falas de Lula no domingo,18, se deram vários desdobramentos diplomáticos, como a convocação do embaixador do Brasil em Israel, Frederico Meyer, que depois foi acionado para retornar ao Brasil para consultas. O embaixador de Israel no Brasil, Zonshine, também foi chamado para uma reunião com o chanceler brasileiro Mauro Vieira.

Os embates com Israel trouxeram a Lula conflitos na política interna, como a fala do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), cobrando que o mandatário se desculpe, queixas do líder de governo Jaques Wagner (PT-BA), que é judeu se sentiu ofendido. A oposição organizou um pedido de impeachment, que não deve prosperar por falta de apoio político. Isso tudo somado às manifestações de repúdio de comunidades ligadas ou de representantes de Israel.

Já na política externa, o receio do governo é que as rusgas provocadas com Israel ofusquem a reunião de embaixadores do G20 que acontece no Rio de Janeiro, nesta quarta, 21. O Brasil atualmente preside o grupo que reúne as maiores economias do mundo. Ao longo de 2024 serão realizadas diferentes encontros setoriais até a cúpula com presidentes e representantes de governos, em novembro.

Secretário americano com Lula

Pela manhã, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, se reuniu com Lula por quase duas hora no Palácio do Planalto, em Brasília. Após o encontro, o americano disse a jornalistas que Brasil e Estados Unidos têm uma grande parceria bilateral e disse ser grato pela "amizade" brasileira.

Blinken e Lula reunidos
Blinken e Lula reunidos
Foto: Ricardo Stuckert / PR / Perfil Brasil

"Foi uma reunião muito boa. Estou grato ao presidente pelo seu tempo. Nós e o Brasil estamos fazendo tantas coisas importantes juntos, estamos trabalhando juntos bilateralmente, regionalmente, globalmente. É uma parceria importante e somos gratos pela amizade", afirmou.

Fonte: Guilherme Mazieiro Guilherme Mazieiro é repórter e cobre política em Brasília (DF). Já trabalhou nas redações de O Estado de S. Paulo, EPTV/Globo Campinas, UOL e The Intercept Brasil. Formado em jornalismo na Puc-Campinas, com especialização em Gestão Pública e Governo na Unicamp. As opiniões do colunista não representam a visão do Terra. 
Compartilhar
Publicidade
Publicidade