PUBLICIDADE

Candidatos elevam tom, e debate tem duelo de direito de resposta e broncas de Bonner

Os ânimos ficaram exaltados ao longo do último debate entre os presidenciáveis antes do primeiro turno das eleições

30 set 2022 - 01h50
(atualizado às 03h16)
Compartilhar
Exibir comentários
Os candidatos Jair Bolsonaro (PL), Padre Kelmon (PTB), Luiz Felipe D’Avila (Novo), Soraya Thronicke (União Brasil), Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Simone Tebet (MDB) e Ciro Gomes (PDT) no estúdio da TV Globo
Os candidatos Jair Bolsonaro (PL), Padre Kelmon (PTB), Luiz Felipe D’Avila (Novo), Soraya Thronicke (União Brasil), Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Simone Tebet (MDB) e Ciro Gomes (PDT) no estúdio da TV Globo
Foto: Globo/ João Miguel Júnior

O debate entre os presidenciáveis realizado pela TV Globo, na noite desta quinta-feira, 29, foi marcado por duelos de direito de resposta, principalmente entre o presidente e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), e seu principal rival, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O debate teve mais de três horas de duração.

Ao longo do debate, Bolsonaro e Lula trocaram acusações sobre episódios de corrupção durante seus governos. Com os ânimos exaltados entre os políticos, o apresentador e mediador William Bonner precisou intervir diversas vezes na dinâmica das perguntas. 

Além de Lula e Bolsonaro, também participaram do debate os candidatos Ciro Gomes (PDT), Felipe d'Avila (Novo), Simone Tebet (MDB), Soraya Thronicke (União Brasil) e Padre Kelmon (PTB).

Candidatos abusam do "Direito de Resposta":

Lula, Bolsonaro e Padre Kelmon foram os principais responsáveis pelas intervenções do apresentador. Logo no primeiro bloco do debate, houve uma sequência de três pedidos de resposta feitos por Bolsonaro e Lula. Em seguida, a equipe de análise do debate negou um quarto pedido feito pelo petista. O clima esquentou entre os candidatos, e Bonner precisou intervir e dar a primeira bronca ao vivo nos candidatos à Presidência da República. 

"Eu vou pedir aos candidatos que, em respeito ao público, procurem manter um nível de tranquilidade adequado para um ambiente democrático que nós pretendemos que seja esse debate", pediu o apresentador.

Já no terceiro bloco, uma discussão entre Lula e Padre Kelmon gerou mais uma bronca por parte de Bonner aos candidatos. Padre Kelmon escolheu o petista para fazer uma pergunta sobre corrupção. O candidato do PTB quis saber porque Lula é próximo de "gente que foi presa" e afirmou que ele era chefe de esquema de corrupção. 

William Bonner dá bronca ao vivo em candidato:

"O candidato está desinformado ou só lê o que quer", respondeu Lula, que se irritou por ser interrompido diversas vezes por Padre Kelmon. Bonner disse ao candidato do PDT que ele deveria respeitar as regras do debate e aguardar o espaço de fala do oponente. "Candidato Kelmon, não consigo entender. O senhor compreendeu que tem regras o debate?", questionou o jornalista. 

Lula aproveitou que Bonner chamou a atenção de Kelmon para chamá-lo de "candidato laranja" e "padre fantasiado". 

Ao longo do debate, foram contabilizados 19 pedidos de resposta, quase o dobro da quantidade registrada no debate anterior, realizado por Terra, SBT, Estadão/Eldorado, Nova Brasil FM, Veja e CNN Brasil. 

Novo pedidos foram feitos por Bolsonaro, seis por Lula, dois por Soraya Thronicke, um por Simone Tebet e outro pelo Padre Kelmon.

Sem confronto direto

Em nenhum momento, Bolsonaro e Lula ficaram frente a frente. Pelas regras do debate, no terceiro bloco, o presidente teve a oportunidade de fazer uma pergunta a Lula, mas optou por questionar o candidato Luiz Felipe D’Avila (Novo). 

Lula não teve a chance de se dirigir diretamente a Bolsonaro, mas houve embate entre os dois por meio dos pedidos de direito de resposta, principalmente no primeiro bloco, quando os ânimos se exaltaram entre os dois. 

Outros embates

O debate também teve embates entre outros candidatos. Ciro Gomes (PDT) gaguejou logo em sua primeira pergunta a Lula sobre o tema da desigualdade social. O petista rebateu ao citar algumas de suas ações focadas nos mais pobres e dizer que o candidato do PDT parecia "estar nervoso"

Já Padre Kelmon fez 'dobradinha' com Bolsonaro, mais uma vez, assim como no debate realizado por Terra, SBT, Estadão/Eldorado, Nova Brasil FM, Veja e CNN Brasil. Kelmon usou parte de seu tempo para elogiar o presidente e atacar a esquerda.

Em uma das perguntas de Bolsonaro a Simone Tebet (MDB), o presidente resolveu usar o tempo para cutucar Lula ao abordar o caso de Celso Daniel - ex-prefeito petista de Santo André (SP) assassinado em 2002, sob suspeitas de envolvimento da burocracia do partido. Tebet criticou a pergunta e sugeriu que o presidente falasse sobre a fome, além de afirmar que Bolsonaro não tinha coragem de abordar o tema diretamente com Lula

Apesar de provocar o adversário em diversas ocasiões, Bolsonaro preferiu não confrontar diretamente Lula em nenhuma das perguntas. 

Soraya Thronicke (União) questiona Padre Kelmon (PTB):

Soraya aposta em frases de efeito

Soraya apostou em frases de efeito durante suas perguntas direcionadas ao Padre Kelmon. A candidata o chamou de "cabo eleitoral do presidente" e também questionou se ele não se "envergonhava de defender um governo que atrasou a chegada das vacinas" ao País. 

Ela também perguntou se o padre não "teria medo de ir para o inferno por suas mentiras". Depois, chegou a chamá-lo de "padre de festa junina"

Ainda durante o debate, ela reforçou que o maior cabo eleitoral de Lula é Jair Bolsonaro e cobrou respeito do presidente ao ser chamada por ele de candidata laranja.  

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade