SP: médicos bloqueiam a Paulista em protesto contra estrangeiros

3 jul 2013
17h14
atualizado em 4/7/2013 às 10h30
  • separator
  • 0
  • comentários

Pelo menos 5 mil pessoas, entre médicos, estudantes e profissionais da saúde, bloquearam a avenida Paulista, nos dois sentidos, no final da tarde desta quarta-feira para protestar contra a proposta da presidente Dilma Rousseff de trazer médicos do exterior para atender a população das periferias das grandes cidades e das comunidades do interior. Os manifestantes seguiam em passeata até a rua Augusta, onde fica a sede do escritório da Presidência em São Paulo.

"Não somos contrários à vinda de médios do exterior. O que não se pode fazer é trazê-los sem que passem por uma avaliação rígida. Serão bem recebidos para trabalhar conosco, mas precisam ter a qualidade comprovada. Até porque deverão trabalhar com a população mais vulnerável", disse o presidente da Associação Paulista de Medicina, Florisval Meinão.

Ele ainda disse que a categoria cobra o investimento de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) do País na saúde, além da melhoria da gestão do Sistema Único de Saúde (SUS).  "Só assim, teremos infraestrutura de melhor qualidade".

A ideia de seguir até a sede da representação do governo federal, segundo os manifestantes, é uma forma de cobrar da presidente Dilma a revisão da proposta de importação dos médicos sem que passem pelo exame de revalidação dos diplomas (Revalida).

Médicos fazem paralisação
Todos os Estados têm manifestações de médicos marcadas para esta quarta-feira. As entidades deixaram claro que os atendimentos de urgência e emergência funcionarão normalmente. Para os médicos, o País tem número suficiente de profissionais para suprir a demanda, e se houvesse uma estruturação das unidades de saúde e a criação de uma carreira, os vazios assistenciais seriam preenchidos.

Médicos e estudantes protestam na avenida Paulista, em São Paulo, contra a proposta do governo de trazer profissionais da saúde do exterior
Médicos e estudantes protestam na avenida Paulista, em São Paulo, contra a proposta do governo de trazer profissionais da saúde do exterior
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra

O Ministério da Saúde anunciou, no dia 25 de junho, que criará 35 mil vagas para médicos no Sistema Único de Saúde (SUS) até 2015. De acordo com a pasta, serão contratados profissionais que se formaram no exterior para ocupar os postos que não forem preenchidos por médicos com diplomas brasileiros.

O plano do governo é criar programas de autorização especial para que os profissionais que se formaram fora do País só possam atuar na atenção básica, nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades. Caso sejam aprovados no Revalida, esses médicos terão liberdade de trabalhar em qualquer lugar do País.

Colaboraram com esta notícia os internautas Fernando Souza e  Selma Comerlatti, de São Paulo (SP), que participaram do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade