Governo adia o Enem e embaralha o calendário universitário

Se a alteração for por 60 dias, provas seriam em janeiro e aprovações só sairiam em março ou abril de 2021

21 mai 2020
05h10
atualizado às 08h18
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que deve ter mais de 4 milhões de participantes neste ano, foi enfim adiado na quarta, 20, pelo Ministério da Educação (MEC). Esta será a segunda vez na história do maior vestibular do País que ele deixará de ser feito na data marcada; a primeira foi quando a prova foi roubada em 2009, conforme revelado pelo Estadão. A mudança, que o Congresso Nacional já havia começado a decidir na terça-feira, 19, e era pedida havia semanas por secretários de Educação, universidades e estudantes, vai dar mais tempo para alunos pobres se prepararem. Mas também embaralha todo o calendário de outros vestibulares e o ano letivo de 2021.

Enem 2019: provas começam a ser aplicadas neste domingo (3) para mais de 5 milhões de estudantes em todo o país (Arquivo: 3/10/2016)
Enem 2019: provas começam a ser aplicadas neste domingo (3) para mais de 5 milhões de estudantes em todo o país (Arquivo: 3/10/2016)
Foto: Daniel Teixeira / Estadão Conteúdo

Fuvest e Unicamp

Vestibulares como os da Fuvest, que seleciona os candidatos para a Universidade de São Paulo (USP), e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), por exemplo, utilizam o Enem para preencher parte de suas vagas. Segundo o reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, o calendário ainda será discutido na instituição, mas é "muito provável" que o vestibular seja adiado. A Unicamp também já reduziu o número de livros obrigatórios para prova, de 12 para 7 este ano, por causa da pandemia, considerando dificuldade de acesso às obras. "Estamos discutindo também o conteúdo, como avançar mais na testagem de habilidades, interpretação de texto."

Procurada, a Fuvest informou que também pode vir a rever o calendário. Entidades que reúnem universidades particulares sugerem até que a prova do Enem seja reformulada para não prejudicar tanto o calendário letivo. "Poderia ser feita uma prova mais leve, que possa ser corrigida mais rápido, respondida em um dia só, sem redação", diz o diretor do Semesp, que representa as instituições privadas de São Paulo, Rodrigo Capelato. Segundo ele, os alunos atualmente "não fazem nada até sair a nota do Enem", ou seja, sequer participam dos vestibulares de universidades particulares porque esperam uma vaga no Sisu. Isso só acontece depois que não são aprovados, o que faz com que as aulas comecem em meados de março. "Entendemos o problema da pandemia, mas estamos preocupados com o ano letivo não ser mais prejudicado." O Enem é em dois dias, com 180 questões, balizadas por um método estatístico complexo, e uma redação.

Covid

As universidades federais, que são a maioria de vagas no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), já haviam pedido o adiamento da prova para que fossem discutidas também as condições de segurança sanitária em que o exame será realizado. Deve ser muito provável que as salas, normalmente com cerca de 40 alunos durante o Enem, tenham de ter menos estudantes. Segundo o Estadão apurou, o Inep ainda não tem um estudo dessas mudanças, que preveem também medidores de temperatura na entrada dos prédios. Os técnicos do órgão foram pegos de surpresa ontem com a ordem do ministro para adiar a prova; o assunto seria discutido na diretoria no mesmo dia, mais tarde.

"Com o adiamento, a gente pode pensar melhor a chegada dos novos estudantes", diz a reitora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Soraya Smaili. Para ela, embora não haja plano de redução do número de vagas para alunos novos, discute-se estruturar turmas menores, com salas mais amplas, porque os cuidados sanitários podem ter de ser adotados em 2021.

Aluna

Heloisa Mendes, de 17 anos, faz ensino médio em uma escola técnica estadual e gostou do adiamento. Ela diz que tem o "privilégio" do acesso à internet, mas é difícil absorver o conteúdo da aula online. "Em uma pandemia, a gente tem de se preocupar com o coronavírus e os estudos."

Veja também:

Explosão no Líbano: BBC visita epicentro do desastre no porto de Beirute
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade