3 eventos ao vivo

Promotor: polícia não investigou mortes de PC e Suzana e pressupôs suicídio

'A possibilidade de descobrir quem foi o autor do crime já foi sepultada naquele dia', disse o promotor durante os debates

10 mai 2013
08h39
atualizado às 16h51
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>O promotor Marcos Mousinho apresenta os argumentos da acusação nos debates finais</p>
O promotor Marcos Mousinho apresenta os argumentos da acusação nos debates finais
Foto: Itawi Albuquerque / Futura Press

O promotor Marcos Mousinho afirmou nesta sexta-feira que a Polícia Civil de Alagoas não investigou as mortes do empresário Paulo César Farias e da namorada dele, Suzana Marcolino, e já pressupôs que o caso se tratava de um homicídio seguido de suicídio. Desde as 8h30, Mousinho apresenta os argumentos do Ministério Público nos debates finais do julgamento dos quatro policiais militares acusados de envolvimento no crime. "Não colheram amostras das mãos das outras pessoas que estavam na casa. Não fizeram isso porque a mente de peritos e investigadores já estava voltada para uma única versão: a de que Suzana matou PC e se matou", disse. 

Mousinho também criticou o argumento de que não foi feita perícia nas mãos dos PMs porque poderia haver resíduos de pólvora pelo fato de que eles manuseiam armas em suas funções. O promotor admitiu que esses resíduos ficam na pele por vários dias, mas defendeu que os réus tivessem passado por exames residuais. 

"A possibilidade de se descobrir quem foi o autor material do crime já foi sepultada naquele dia", afirmou. O promotor havia afirmado, no início de sua fala, que o objetivo da acusação era provar que tanto PC Farias quanto Suzana foram assassinados. "Tentarei convencer os senhores (jurados) de duas coisas aqui: a primeira é que houve duplo homicídio, e a segunda é que os réus tinha a obrigação de proteger a integridade física de quem eles faziam a segurança", disse Mousinho.

Mousinho criticou o laudo elaborado pelo médico legista Badan Palhares após o crime. "O doutor Badan Palhares deu uma aula fantástica aqui, mas perícia não é aula", afirmou. Para o promotor, o autor dos homicídios de PC Farias e Suzana Marcolino dificilmente será encontrado porque as investigações foram "feitas de forma errônea".

<p>Os réus José Geraldo da Silva, Reinaldo Correia de Lima Filho, Adeildo Costa dos Santos e Josemar Faustino dos Santos acompanham o júri</p>
Os réus José Geraldo da Silva, Reinaldo Correia de Lima Filho, Adeildo Costa dos Santos e Josemar Faustino dos Santos acompanham o júri
Foto: Itawi Albuquerque / Futura Press

"Eu tenho certeza de que esses quatro policiais são culpados. Eu posso errar porque sou humano, mas, para chegar a essa conclusão, eu tive que ler página por página desse processo. E, nas explicações do (médico legista) Daniel Muñoz, eu vi que estava certo", afirmou.

Marcos Mousinho orientou os jurados a como responder às perguntas na sala secreta, após os debates. "Se vocês entenderem, logo na primeira pergunta, que houve duplo homicídio, estão imputando a omissão aos seguranças automaticamente, porque isso é o que diz a lei. Não é uma imputação estranha, isso é legal", disse.

Promotor diz que PC era apaixonado por Suzana
Em sua fala, o representante do MP destacou que PC Farias era apaixonado por sua namorada. "Nas ligações, ele só chamava Suzana de meu amor", disse. "Os dois se encaixavam como trinco no buraco, como a corda e a caçamba."

Mousinho também releu depoimentos que mostravam discussões entre o empresário e seu irmão, Augusto Farias. Para o promotor, a família destruiu a cena do crime e prejudicaram a perícia. "Eles deveriam ter preservado a cena do crime e não deixado ninguém entrar", disse.

Tesoureiro da campanha do ex-presidente Fernando Collor de Mello, PC Farias era apontado como uma das pessoas mais próximas do então presidente. Ele foi denunciado por sonegação fiscal, falsidade ideológica e enriquecimento ilícito. Respondem pelas mortes Adeildo Costa dos Santos, Reinaldo Correia de Lima Filho, Josemar Faustino dos Santos e José Geraldo da Silva.

O crime
Os PMs trabalhavam como seguranças de PC Farias e são acusados de homicídio qualificado por omissão. Paulo César Farias e Suzana Marcolino foram assassinados na madrugada do dia 23 de junho de 1996, em uma casa de praia em Guaxuma. À época, o empresário respondia a vários processos e estava em liberdade condicional. Ele era acusado dos crimes de sonegação de impostos, falsidade ideológica e enriquecimento ilícito. A morte de PC Farias chegou a ser investigada como queima de arquivo, já que a polícia suspeitou que o ex-tesoureiro poderia revelar nomes de outras pessoas que teriam participação nos mesmos ilícitos.

Entretanto, a primeira versão do caso, que foi apresentada pelo delegado Cícero Torres e pelo legista Badan Palhares, apontou para crime passional. Suzana teria assassinado o namorado e, na sequência, tirado a própria vida. A versão foi contestada pelo médico George Sanguinetti, que descartou tal possibilidade e, mais tarde, novamente questionada por uma equipe de peritos convocados para atuar no caso. Os profissionais forneceram à polícia um contralaudo que comprovaria a impossibilidade, de acordo com a posição dos projéteis, da tese de homicídio seguido de suicídio.

Veja também:

Uso de bicicletas elétricas atrai população cascavelense
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade